OMS prega cautela após anúncio de registro de vacina russa | VEJA
Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

OMS prega cautela após anúncio de registro de vacina russa

Último registro da organização, de 31 de julho, afirma que imunizante da Rússia ainda está na primeira fase de testes e precisa concluir mais duas

Por Da Redação 11 ago 2020, 21h20

Nesta terça-feira, 11 de agosto, a Rússia aprovou a primeira vacina contra coronavírus do mundo. Vladimir Putin, presidente do país, afirmou que foi dada uma aprovação regulatória a Sputnik 5, nome que faz alusão ao primeiro satélite soviético. A OMS, entretanto, recebeu a notícia com cautela, afirmando que acelerar o progresso não deve significar uma menor segurança na produção da vacina. Há o receio de que o país esteja colocando o prestígio nacional na frente da ciência.

O governo do estado do Paraná anunciou que vai assinar um convênio para adquirir a vacina russa horas depois da declaração de Putin. Para ser aplicada no Brasil, ela terá de ser aprovada pela Anvisa. A agência afirmou que, até agora, o laboratório russo responsável pelo desenvolvimento da Sputnik 5 ainda não apresentou nenhum pedido oficial de análise. A coluna Radar, de VEJA, teve acesso a um documento que mostra que uma delegação do Ministério da Saúde se reuniu com representantes russos para discutir a produção do imunizante e indicou ter interesse em continuar o diálogo com o país europeu.

Manaus, capital do Amazonas, voltou ontem a receber estudantes em suas escolas da rede pública. A reabertura dos colégios, entretanto, foi marcada por denúncias de descumprimento do distanciamento social e ainda pelo início de uma greve parcial dos professores da rede pública. A volta a uma normalidade parcial também vem se mostrando um desafio para a diretoria da CBF. Após o adiamento da partida entre São Paulo e Goiás no domingo, a instituição adiou hoje o jogo entre CSA e Chapecoense, após nove atletas do time alagoano testarem positivo para o coronavírus. O CSA teve, até agora, 18 infectados no seu elenco.

O Corinthians, que estreia no Campeonato Brasileiro nesta quarta, confirmou também que três membros da sua delegação testaram positivo ao vírus e que, por isso, foram retirados do grupo que viajou para Belo Horizonte para jogar contra o Atlético Mineiro. Eles fazem parte dos 52.160 casos confirmados pelo Ministério da Saúde nas últimas 24 horas. Além disso, foram 1.274 mortes causadas pela doença. No total, o Brasil acumula agora 3.109.630 infectados, 103.026 óbitos e 2.243.124 recuperados.

Leia mais sobre a pandemia de coronavírus: http://abr.ai/coronavirus-ultimas

Continua após a publicidade
Publicidade