Clique e assine a partir de 9,90/mês

Mortes por coronavírus caem 6,1% em uma semana, com 1.280 registros em 24h

Número de casos teve alta de 15% no mesmo período; ao todo são 1.402.041 diagnósticos positivos e 59.594 óbitos, segundo Ministério da Saúde

Por Da Redação - 30 Jun 2020, 22h44

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil tem nesta segunda-feira, 29, 1.402.041 casos confirmados de infecção por coronavírus e 59.594 óbitos. Apenas nas últimas 24 horas, foram 33.846 novos casos e 1.280 mortes.

Se comparado os casos e mortes acumulados nos últimos sete dias (entre 24 e 30 de junho), foram sinalizados pelas secretarias de saúde 6.949 novos óbitos e 256.132 casos confirmados. Considerando a semana anterior (entre 17 e 23 de junho), são números 6,1% menores em relação a óbitos e 15 % maiores em comparação com os casos confirmados.

A incidência de Covid-19 em todo o país é de 667,2 pessoas a cada 100 mil habitantes, de acordo com dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). A taxa de letalidade está em 4,3% e taxa de mortalidade é de 28,4 por 100 mil habitantes.

Completando seis meses desde o primeiro registro da doença na China, em 31 de dezembro, foram mais de 10 (10.389.792) milhões de pessoas contaminadas com a doença pelo o mundo, e já foram contabilizadas mais de meio milhão de mortes (507.373), de acordo com a Universidade Johns Hopkins, instituição americana que acompanha o vírus desde o seu surgimento.

Continua após a publicidade

Mas o que muitos especialistas acreditam é que existe uma considerável subnotificação dos casos. Em Nova York, por exemplo, uma testagem de anticorpos aleatória feita em abril mostrou que cerca de um quinto das pessoas selecionadas possuíam anticorpos do novo coronavírus. De acordo a pesquisa, o número possível de nova iorquinos contaminados era de 1,7 milhão, bem maior do que os então 250 mil casos confirmados.

Ainda não há remédios ou vacinas, mas a ciência vem achando caminhos. Hoje, sabe-se que pessoas com sistemas imunológicos mais fracos, como idosos ou aqueles que possuem doenças crônicas, são mais vulneráveis ao vírus, e que crianças praticamente não são atingidas, sendo apenas cerca de 2% dos casos confirmados nos Estados Unidos.

No Brasil, o governador do Paraná, Ratinho Júnior, do PSD, informou hoje que sete regiões do estado, incluindo Curitiba, terão regras mais rígidas de isolamento, como, por exemplo, limite de passageiros no transporte público e o fechamento de todos os serviços não essenciais.

Publicidade