Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O general Stédile vai render-se na Venezuela

Acompanhe o comentário de Augusto Nunes, colunista de VEJA

access_time 10 dez 2018, 14h12 - Publicado em 16 fev 2018, 18h20

O exército fantasma comandado por João Pedro Stédile, o mais perigoso general de cordão carnavalesco do mundo, resolveu transferir seus combates imaginários para a Venezuela, em defesa do “regime popular e democrático do presidente Nicolás Maduro“.

O desempenho da piada beligerante informa que o sucessor de Hugo Chávez ganhou um aliado que garante a derrota do lado que apoia.  As tropas de Stédile capitularam sem luta no Paraguai, quando o comandante prometeu manter no poder o companheiro Fernando Lugo, em Brasília, quando prometeu barrar o impeachment de Dilma, e em Curitiba, quando prometeu livrar da condenação o companheiro Lula.

Se depender de Stédile, a guerra na Venezuela terminará em rendição antes de começar.

 

Veja também
Notícias sobre
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Fernando Cesar Romo Rojas

    Esse e um IDIOTA APROVEITADOR , QUE ENGANHA UM MONTE DE GENTE HUMILDE , ELE VIVE NO BEM BOM

    Curtir

  2. Nilson Rodrigues

    Endosso o comentário do Fernando. Stédile não passa de um vagabundo que se aproveita de pessoas humildes, prometendo o paraíso da terra grátis e propriedades alheias na base do crime de roubo sem punição.

    Curtir