Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Marco Aurélio amplia foro privilegiado

Parentes ou cúmplices de um senador agora são julgados pelo Supremo

Por Da Redação - 7 dez 2017, 17h26

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), acaba de revogar as prisões domiciliares de Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves, de Frederico Pacheco de Medeiros e de Mendherson Souza Lima, ex-assessor do senador Zezé Perrella. Os três estavam sob medidas cautelares desde maio, quando vieram a público as delações premiadas do grupo J&F, aquele que transformou Joesley e Wesley Batista em fregueses preferenciais do BNDES, campeões nacionais e, finalmente, integrantes da população carcerária. A pergunta é: o que estão fazendo os três no Supremo? Até onde se sabe, ser parente ou cúmplice de senador não dá direito a foro privilegiado. A menos que o incontrolável Gilmar Mendes tenha mudado a Constituição em segredo.

Publicidade