Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

“Vivo para inovar”

Bruno Affonso, 42, conta como foi criar na China a bicicleta elétrica que mudou a paisagem brasileira

Por Duda Monteiro de Barros Atualizado em 10 jun 2022, 08h49 - Publicado em 12 jun 2022, 08h00
Bruno Affonso -
Bruno Affonso – Guilherme Leporace/.

Aos 27 anos, eu tinha uma carreira tradicional de engenheiro. Trabalhava em uma multinacional na área de monitoramento e GPS e volta e meia viajava para congressos internacionais. Sempre aproveitava para conhecer o lugar, dar uma explorada. E foi isso que aconteceu quando me mandaram para Hong Kong em 2007, com voo de volta via Pequim. Resolvi emendar as férias e conhecer a China, que andava em ebulição a um ano da Olimpíada que iria sediar. Fiquei impressionado. Em todo o canto, sem exagero, esbarrava com uma inovação. Entendi que aquele era o lugar para estar naquela hora e pedi a meu chefe para seguir em Pequim por mais um ano, ajudando na expansão da companhia do lado de lá do globo. Fiquei profundamente feliz quando veio a resposta positiva. Mas a vida tem esse fascinante componente do imprevisível, e minha cabeça mudou. Quatro meses mais tarde, me demiti, no risco, em busca de algo novo. Comecei a viver de bicos de tradução, dava aulas de inglês para crianças e pensava o tempo todo no próximo passo, imerso em um cenário de alta criatividade.

E, de repente, estava morando num país onde não conhecia ninguém, sem saber a língua nem dominar a cultura. Mesmo com as dificuldades naturais de uma reviravolta dessas, porém, me adaptei bem. Fiz amizade com brasileiros e estrangeiros, fui me aclimatando. Estava focado em absorver o que aquela tradição misturada com modernidade poderia me ensinar. Eis que, em meio a tantas diferenças, percebi como as bicicletas elétricas, muito usadas por operários para ir e vir do trabalho, dominavam as ruas. Não se via isso no Brasil. Eram simples, quadradas, sem charme, mas surpreendentemente úteis — inclusive para mim. Como ainda não tinha permissão para dirigir na China, essa bike foi a minha salvação. Fazia tudo com ela e, com o tempo, meus amigos também aderiram. E passamos a percorrer toda a cidade motorizados sobre duas rodas.

Meu interesse por essa forma mais rápida e prática de locomoção cresceu a um ponto tal que decidi visitar fábricas de onde saíam as bicicletas, a meia hora de Pequim. Meu irmão, que hoje é meu sócio, estava no Brasil e eu, empolgado, lá de longe, falava da minha ideia de criar um modelo ajustado à realidade brasileira. Era tudo novo e Rodrigo, a distância, não compreendia exatamente o projeto. Ainda assim, embarcou nele, embalado por um ímpeto de inovar, que é o que também me move. Claro que não foi fácil achar uma fábrica disposta a produzir a bicicleta do jeito que eu imaginava, tudo sob medida. Em 2008, consegui tirar do papel o primeiro modelo da Lev, já prevendo um monte delas na paisagem carioca e de todo o país. Inventamos um produto unissex, com design e, cereja do bolo, ainda vinha com a cestinha. O propósito era criar uma alternativa ao automóvel que atendesse toda a família.

Fazia alguns meses que vendíamos pela internet quando abrimos no Brasil a primeira loja física, em 2010. Àquela época, o depósito era improvisado na casa dos meus pais, lotado de bicicletas vindas da China. Eu e meu irmão fazíamos as entregas, sempre de madrugada. Nunca duvidei que daria certo, e deu. Hoje, estamos em quatro estados com 26 lojas, dezesseis abertas só nos últimos dois anos. Fiquei em solo chinês até 2019. Aí, vim passar férias no Rio de Janeiro, e a quarentena rígida de lá me impediu de voltar. A ideia agora é me revezar entre os dois países. Interessante é que a pandemia acabou dando um empurrão no negócio, uma vez que as pessoas buscam cada vez mais o ar livre e menos o aperto do carro. Aliás, está todo mundo cansado do trânsito e revoltado com o preço da gasolina. Eu mesmo vendi meu carro há um bom tempo e uso a bicicleta elétrica para tudo. Foi uma inovação também para minha própria vida.

Bruno Affonso em depoimento dado a Duda Monteiro de Barros

Publicado em VEJA de 15 de junho de 2022, edição nº 2793

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)