Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Lenovo conclui compra da Motorola e já é 3ª maior fabricante de celular

Marca chinesa agora está atrás apenas de Apple e Samsung

A fabricante chinesa Lenovo anunciou nesta quinta-feira que concluiu a aquisição da Motorola Mobility, que antes pertencia ao Google. Agora, a Lenovo assume a operação global da Motorola e se torna a terceira maior fabricante de smartphones do mundo, atrás apenas de Apple e Samsung.

Leia também:

“Motorola é a nossa nova IBM”, diz executivo da Lenovo

Lenovo quer repetir com celulares receita de sucesso de PCs

“Estamos em compasso de espera em smartphones”, diz novo presidente da Lenovo

Em comunicado, a Lenovo anunciou que a Motorola continuará sendo operada como uma subsidiária com sede em Chicago, nos Estados Unidos. A chinesa vai incorporar cerca de 3.500 funcionários da Motorola distribuídos pelo mundo inteiro, 2.800 baseados nos Estados Unidos. “Junto com a Motorola estamos prontos para competir, crescer e vencer no mercado global de smartphones. Daremos aos consumidores opções, concorrência e uma nova faísca de inovação”, disse Yang Yuanqing, CEO da Lenovo.

A transação entre o Google e Lenovo foi aprovada pelos órgãos reguladores dos Estados Unidos, China, União Europeia, Brasil e México, além do Comitê para Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos (CFIUS). Liu Jun, vice-presidente executivo do grupo de dispositivos móveis da Lenovo, será o presidente do conselho de administração da Motorola. Rick Osterloh, atual CEO global da Motorola, continuará na liderança da empresa.

A aquisição custou à Lenovo 2,91 bilhões de dólares, valor que inclui 660 milhões em dinheiro e 4,7% das ações da companhia chinesa, no valor de 750 milhões de dólares, que foram transferidas ao Google. O restante, 1,5 bilhão de dólares, será pago em três anos. A operação transforma o Google em um dos grandes acionistas da fabricante chinesa.

A expectativa da Lenovo é que, em conjunto com a Motorola, a empresa consiga vender mais de 100 milhões de dispositivos móveis até o final do ano. O sucesso das novas versões dos smartphones Moto G e Moto X, quase sempre esgotados em lojas brasileiras, deve ajudar a alcançar a meta. Após a aquisição, o Google vai continuar sendo o proprietário da maior parte do portfólio de patentes da Motorola – a fabricante de celulares tem um acordo de licença com o gigante das buscas para utilizar as patentes.

Antes da compra da Motorola, a Lenovo já atuava no mercado de smartphones e tablets, mas ainda é vista como uma iniciante. A empresa só começou a fabricar smartphones em 2012, cinco anos depois de o iPhone chegar ao mercado. Lançados primeiro da China, onde a marca é vice-líder em vendas, os aparelhos já chegaram a Índia, Indonésia, Filipinas e Vietnã. Em 2013, a companhia começou a vender uma nova linha de smartphones e tablets com a marca CCE no Brasil.

Atacar o mercado de dispositivos móveis é uma necessidade para a Lenovo. Quase 80% de sua receita é proveniente dos computadores, mas a venda global dessas máquinas caíram 10% no último ano, tornando 2013 o pior ano da história para a indústria de PCs. Com a aquisição da Motorola, a empresa dá um salto de participação no mercado global de smartphones.

Confira abaixo a primeira entrevista de Silvio Stagni, novo presidente da Lenovo no Brasil: