Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Google lança Gemini, nova ferramenta de inteligência artificial

Chatbot, que pode ser testado junto ao Bard, será lançado em três tamanhos e, por enquanto, está disponível apenas em inglês

Por Da Redação
Atualizado em 6 dez 2023, 12h58 - Publicado em 6 dez 2023, 12h29

Enquanto os Estados Unidos e a Europa tentam frear a expansão desordenada da inteligência artificial por meio de regulações e outros dispositivos legais, algumas grandes empresas de tecnologia estão investindo no desenvolvimento de programas cada vez mais sofisticados. O Google, por exemplo, lançou nesta quarta-feira, 6, uma nova ferramenta, o Gemini, que é uma evolução do já popular Bard.

Em uma apresentação a representantes de veículos de vários países, o Google disse que o Gemini está à frente de todos os outros modelos de IA em 30 dos 32 benchmarks padrão da indústria. Não é difícil imaginar que a maioria é liderada pelo GPT-4, o grande modelo de linguagem mais avançado desenvolvido pela OpenAI.

Em um dos vídeos com simulação das potencialidades do Gemini, a ferramenta ajudou um aluno a resolver problemas de escola. Identificou um erro no cálculo de um exercício de física. Além disso, apresentou a solução correta e criou problemas parecidos  para o usuário resolver.

No projeto, o Gemini foi pensado em três tamanhos diferentes – Ultra, Pro e Nano – para que possa ser executado em tudo, desde data centers até dispositivos móveis. Por enquanto, está chegando ao Bard  em duas fases. A partir desta quarta, 6, o Bard usará uma versão do Gemini Pro em inglês para raciocínio, planejamento, compreensão mais avançados.  A versão mais avançada do Gemini ainda está em testes para garantir que é segura para os clientes, segundo executivos da empresa.

O Google apresentou os três formatos em que o Gemini funcionará -
O Google apresentou os três formatos em que o Gemini funcionará – (Google/Divulgação)

Eventualmente, o Gemini irá filtrar seu caminho para a maioria dos produtos do Google, incluindo o mecanismo de busca experimental e generativo da empresa, que poderá ser o futuro do negócio básico da empresa.

Como foi a elaboração

Para construir a Gemini, a unidade Google da Alphabet reuniu recursos e talentos de todos os cantos da empresa de 190 mil funcionários, recorrendo à DeepMind, a startup adquirida em 2014 para desenvolver inteligência artificial geral, bem como equipes encarregadas de expandir os limites da computação em nuvem. e infraestrutura.

“Esta nova era de modelos representa um dos maiores esforços científicos e de engenharia que realizamos como empresa”, disse o CEO da Alphabet e do Google, Sundar Pichai, em um comunicado.

A empresa está numa corrida com a Microsoft para aumentar o seu conjunto de produtos, desde documentos a folhas de cálculo e e-mail, com a nova tecnologia, eventualmente permitindo que as pessoas conversem com os seus computadores tanto quanto clicam e escrevem.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.