Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Facebook vai mudar regras sobre ataques a figuras públicas

Publicações com conteúdo ofensivo contra personalidades que se tornaram famosas involuntariamente serão removidas

Por Alessandro Giannini Atualizado em 13 out 2021, 18h04 - Publicado em 13 out 2021, 18h01

O Facebook anunciou nesta quarta-feira, 13, que vai atualizar a política de proteção contra assédio a figuras públicas nas suas plataformas. Publicações com conteúdo ofensivo contra personalidades que se tornaram famosas involuntariamente, como defensores dos direitos humanos e jornalistas, serão removidas. Até agora, eram permitidos comentários mais críticos a celebridades do que a pessoas comuns.

A nova política ajuda a proteger as pessoas contra assédio em massa e intimidação a partir de múltiplas contas. Serão removidos, segundo a empresa, os ataques coordenados que têm como alvo pessoas como, por exemplo, vítimas de tragédias violentas ou dissidentes do governo – mesmo que o conteúdo por si só não viole as políticas atuais.

Também serão removidos conteúdos questionáveis considerados assédio em massa contra qualquer indivíduo em âmbito pessoal, como mensagens diretas privadas ou comentários em perfis pessoais ou publicações. Serão exigidas informações ou contexto adicionais para aplicar esta nova política. Além disso, também serão removidos redes de contas vinculadas ou opositoras a Estados, assim como páginas e grupos que trabalham juntos para assediar ou silenciar pessoas.

O Facebook reconhece que tornar-se uma figura pública nem sempre é uma escolha e a fama pode aumentar o risco de ataques e assédio – especialmente se a pessoa vier de uma comunidade sub-representada, incluindo mulheres, negros ou a comunidade LGBTQIA+. Esses grupos, agora, terão proteção contra conteúdos nocivos, como os que descreve sua aparência física.

O Facebook está sob a mira de legisladores e reguladores de todo o mundo sobre suas práticas de moderação de conteúdo e danos vinculados a suas plataformas, com documentos internos vazados por um denunciante formando a base para uma audiência no Senado dos EUA na semana passada.

Com cerca de 2,8 bilhões de usuários ativos por mês, o Facebook tem sido criticado por seu sistema de proteção a figuras públicas. Nas últimas semanas, o sistema de “verificação cruzada” da empresa, que o Wall Street Journal informou ter o efeito de isentar alguns usuários de alto perfil das regras usuais da empresa, tem sido o centro das atenções.

A empresa se recusou a compartilhar uma lista de figuras públicas sob o novo critério e disse que eles são avaliados caso a caso. No início deste ano, o Facebook disse que removeria o conteúdo celebrando, elogiando ou zombando da morte de George Floyd, porque ele foi considerado uma figura pública involuntária.

Continua após a publicidade
Publicidade