Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Canadá inaugura primeiro caixa automático de bitcoins

Usuários podem trocar moeda virtual por dólares canadenses ou realizar pagamentos ao café por meio de transferência de bitcoins

Por Da Redação 30 out 2013, 12h37

Ao lado de um muro de um conhecido café em Vancouver, cidade da costa oeste do Canadá popular entre os empresários de internet, já se encontra em funcionamento o primeiro caixa automático da moeda virtual bitcoin. A máquina, fabricada pela empresa americana Robocoin, foi inaugurada na terça-feira e é parecida com um caixa eletrônico de banco. Ao invés das transações tradicionais, contudo, ela serve para trocar dólares canadenses por bitcoins, a moeda virtual criada em 2008 por um anônimo, conhecido apenas pelo pseudônimo Satoshi Nakamoto.

Leia também:

Bitcoins: uma viagem louca ao passado das moedas

Usuários fizeram fila diante do caixa, antes de recorrer aos smartphones para comprar bebidas e doces no café Waves. O caixa automático de bitcoins é o primeiro em seu estilo no mundo, segundo um de seus donos, Mitchel Demeter, um empreendedor local que começou a trocar bitcoins há alguns anos e, em 2013, inaugurou, com dois sócios, a Bitcoiniacs, uma casa de câmbio para esta moeda em Vancouver.

Demeter e os amigos dizem que viram na possibilidade de desenvolver os caixas eletrônicos uma oportunidade de negócios. “Ninguém tinha acesso a um caixa automático e todo mundo comprava e vendia em sites on-line”, afirma o empreendedor. Os usuários têm um código, similar ao cartão bancário regular, para acessar sua conta na internet de bitcoins no caixa. Podem sacar o equivalente à moeda local com base em uma taxa de câmbio, que atualmente calcula um bitcoin por 200 dólares, ou depositar dinheiro em espécie. A transferência dos dólares é feita por meio do VirtEx, um sistema de transações monetárias na internet.

As pessoas podem usar os bitcoins com um smartphone, de maneira similar a que utilizariam um cartão de crédito, ou para comprar on-line. “É a moeda da internet, tão real como qualquer outra”, explica Demeter. A volátil moeda ainda não foi regulamentada por nenhum governo no mundo e ganhou certa notoriedade por ter sido usada no tráfico de drogas. A Alemanha foi o primeiro país a declarar os bitcoins uma “moeda privada”, um status que permite taxar transações. Em Vancouver, os bitcoins são aceitos por 15 estabelecimentos, de cafés a empresas de paisagismo. A moeda é cada vez mais comum em cidades como Berlim e São Francisco. Também é aceita por empresas de internet, como a plataforma de blogs WordPress.

O empresário David Lowy usou o smartphone para transferir 0,01 bitcoin ao café Waves para pagar uma xícara de café, equivalente a 2 dólares canadenses. Um dos primeiros usuários do caixa foi Mike Yeung, estudante de negócios na Universidade Simon Fraser, onde ajudou a criar o clube universitário de bitcoin, uma das várias comunidades do tipo no mundo. “O objetivo do clube é educar as pessoas sobre o bitcoin para que possam introduzir a moeda em sua vida diária. Acredito que os bitcoins são o futuro, porque garantem máximo valor e eficiência”, explicou Yeung. O estudante acredita que o bitcoin poderá ser usado para transferir dinheiro de forma econômica ao redor do mundo, como atualmente a internet permite a comunicação das pessoas entre locais distantes com aplicativos como o Skype.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)