Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Você tem pressão alta? Fazer sauna reduz o risco do problema

Segundo um novo estudo, o banho de vapor pode ajudar a diminuir em 50% a probabilidade de um homem adulto sofrer de hipertensão

Por Da Redação
2 out 2017, 17h38

Você é hipertenso? Fazer sauna pode ajudar. Segundo um novo estudo publicado no periódico científico American Journal of Hypertension, o banho de vapor pode reduzir em até 46% o risco de desenvolver a condição. De acordo com os pesquisadores da Universidade da Finlândia Oriental, homens que mantém o hábito semanalmente têm uma pressão arterial mais baixa, prevenindo os riscos associados a hipertensão.

O estudo

No estudo, eles analisaram dados de 1.621 homens entre 42 e 60 anos que participaram de um estudo nacional sobre fatores de risco cardíaco.

Durante 25 anos, eles monitorarem o desenvolvimento da pressão arterial dos participantes, assim como a frequência com que eles costumavam fazer sessões de sauna: uma vez por semana, duas a três e quatro a sete vezes por semana.

Ao longo desse período 251 dos participantes desenvolveram pressão alta. Porém, comparado aos homens que faziam sessões uma vez por semana, aqueles que faziam duas a três sessões tiveram um risco 24% menor de desenvolver pressão alta. Já aqueles que as faziam de quatro a sete vezes por semana tiveram o risco reduzido em 46%.

Melhora da função

Para os cientistas, esses resultados devem-se ao fato de que a temperatura corporal aumenta durante o banho de vapor, dilatando os vasos e o fluxo sanguíneos. Ainda, eles explicam que o uso da sauna melhora a função do endotélio, tecido que reveste o interior dos vasos sanguíneos, o que pode melhorar a pressão arterial como um todo.

Continua após a publicidade

Contras

No entanto, é preciso ter cuidado com a alta exposição ao calor, principalmente se você já apresenta algum problema cardíaco.

“Dentro de uma sauna, as temperaturas são muito elevadas, o que, por sua vez, faz com que os vasos sanguíneos relaxem e a pressão sanguínea reduza a curto prazo”, disse ao Daily Mail Christopher Allen, da British Heart Foundation, do Reino Unido. “Mas em excesso faz com que a frequência cardíaca aumente para compensar a falta da pressão arterial. Isso significa que, no geral, a carga de trabalho do coração é aumentada, o que pode ser perigoso para pessoas com doenças cardíacas subjacentes.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.