Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Você tem pressão alta? Fazer sauna reduz o risco do problema

Segundo um novo estudo, o banho de vapor pode ajudar a diminuir em 50% a probabilidade de um homem adulto sofrer de hipertensão

Por Da Redação 2 out 2017, 17h38

Você é hipertenso? Fazer sauna pode ajudar. Segundo um novo estudo publicado no periódico científico American Journal of Hypertension, o banho de vapor pode reduzir em até 46% o risco de desenvolver a condição. De acordo com os pesquisadores da Universidade da Finlândia Oriental, homens que mantém o hábito semanalmente têm uma pressão arterial mais baixa, prevenindo os riscos associados a hipertensão.

O estudo

No estudo, eles analisaram dados de 1.621 homens entre 42 e 60 anos que participaram de um estudo nacional sobre fatores de risco cardíaco.

Durante 25 anos, eles monitorarem o desenvolvimento da pressão arterial dos participantes, assim como a frequência com que eles costumavam fazer sessões de sauna: uma vez por semana, duas a três e quatro a sete vezes por semana.

Ao longo desse período 251 dos participantes desenvolveram pressão alta. Porém, comparado aos homens que faziam sessões uma vez por semana, aqueles que faziam duas a três sessões tiveram um risco 24% menor de desenvolver pressão alta. Já aqueles que as faziam de quatro a sete vezes por semana tiveram o risco reduzido em 46%.

Melhora da função

Para os cientistas, esses resultados devem-se ao fato de que a temperatura corporal aumenta durante o banho de vapor, dilatando os vasos e o fluxo sanguíneos. Ainda, eles explicam que o uso da sauna melhora a função do endotélio, tecido que reveste o interior dos vasos sanguíneos, o que pode melhorar a pressão arterial como um todo.

Contras

No entanto, é preciso ter cuidado com a alta exposição ao calor, principalmente se você já apresenta algum problema cardíaco.

“Dentro de uma sauna, as temperaturas são muito elevadas, o que, por sua vez, faz com que os vasos sanguíneos relaxem e a pressão sanguínea reduza a curto prazo”, disse ao Daily Mail Christopher Allen, da British Heart Foundation, do Reino Unido. “Mas em excesso faz com que a frequência cardíaca aumente para compensar a falta da pressão arterial. Isso significa que, no geral, a carga de trabalho do coração é aumentada, o que pode ser perigoso para pessoas com doenças cardíacas subjacentes.”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)