Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

“Vivo intensamente”

Maria Lucia Wood Saldanha, de 54 anos, tem ELA e deu este depoimento com o movimento dos olhos

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
11 mar 2023, 08h00

Tenho esclerose lateral amiotrófica (ELA), uma doença neurodegenerativa, progressiva e que, até o momento, não tem cura. Normalmente, a média de vida dos pacientes varia de dois a cinco anos. Há casos que evoluem mais rapidamente, como também há pessoas que convivem com a doença por décadas, como ocorreu com o físico britânico Stephen Hawking (1942-2018). No meu caso, já se passaram doze anos desde o primeiro sintoma, em novembro de 2010.

O diagnóstico veio em 2012 e, diante dele, quando eu só apresentava comprometimento em alguns dedos das mãos, percebi que só me restavam duas opções: esperar a morte ou viver intensamente cada dia. Sou formada em direito e atuei na área trabalhista por 22 anos. Um ano depois de ter sido diagnosticada, fui aposentada por invalidez. Apesar de ter recebido uma sentença de morte sem ter cometido nenhum crime, ainda tinha a oportunidade de fazer muita coisa — afinal, estava viva. Com o passar dos anos, foram aumentando as limitações, mas fui me reinventando, gerando diferentes oportunidades de ser feliz, descobrindo uma fortaleza que até então eu não sabia que possuía.

Atualmente, só consigo, praticamente, mexer os olhos e alguns músculos da face. Necessito de terceiros para escovar os dentes, me limpar, tomar banho, me vestir e despir, levantar e virar na cama, ajeitar o computador na minha frente, me posicionar, colocar e tirar os óculos, coçar e até para tirar um fio de cabelo que cai no rosto. Não me alimento por via oral, mas por sonda gástrica. Não falo mais. Respiro com ajuda de ventilador mecânico, ligado à traqueostomia (abertura feita cirurgicamente na traqueia). Tenho sempre alguém 24 horas por dia ao meu lado.

Procuro mostrar que, mesmo na minha condição, é possível ter vida. Vou ao teatro, cinema, shows, shoppings, parques e jogos do Athletico Paranaense, time do qual sou torcedora. Sempre procurei extrair o lado positivo das dificuldades pelas quais passei desde o início da doença. E, assim, mostrar a todos que a vida é bela e que, para ser feliz, basta querer. E eu quero.

Para me comunicar uso um dispositivo chamado Tobii, que é acoplado ao computador e que lê os movimentos da íris. Eu olho para um teclado que aparece na tela e fixo o olhar na letra que pretendo digitar. E, assim, vou formando palavras e frases. Foi com o movimento dos meus olhos que escrevi dois livros. Em outubro de 2020, em plena pandemia de Covid-19, foi lançado o primeiro: Como Cresci com ELA, no qual relato a minha vida pós-diagnóstico e a forma como passei a encarar cada desafio que a doença me trouxe. Em junho de 2022 foi lançado o segundo, chamado A Vida É Bela — Como Aprender com ELA, com reflexões sobre a doença e sobre a vida. Tento mostrar a todos que a felicidade é uma opção.

Continua após a publicidade

Agora, estou prestes a realizar meu último desejo, que é fazer uma travessia de navio do Brasil à Europa. A viagem será feita em abril e deve durar 22 dias. Será um desafio, pela minha condição de saúde. Algumas pessoas acham que eu não deveria utilizar a expressão “último desejo”, pois tem um tom de despedida e soa como uma desistência de viver. Mas não é isso. Jamais vou me entregar. Retrata tão somente o último dos meus sonhos, ao lado de ver meu filho formado e encaminhado. O que vier, daqui para a frente, será bônus que, certamente, não desperdiçarei. A vida pode não ser fácil, mas é maravilhosa e ainda quero viver muito. Estou bem e tenho muita disposição para continuar lutando. Vivo um dia de cada vez. Se a cura da ELA não vier a tempo, pelo menos vou poder dizer que a minha vida foi bem vivida.

Lucia Wood Saldanha em depoimento dado a Paula Felix

Maria Lucia Wood Saldanha abriu uma vaquinha on-line – Último Desejo – para juntar dinheiro e conseguir realizar a sonhada viagem para a Europa com o filho, que custeará seus gastos. Clique aqui para participar.

Publicado em VEJA de 15 de março de 2023, edição nº 2832

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.