Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

“Varíola do macaco” entra em Portugal e preocupa a Europa

País confirma 5 casos da doença rara. Reino Unido já havia alertado para 7 pessoas infectadas e Espanha monitora 8 suspeitos

Por Simone Blanes 18 Maio 2022, 18h19

Nesta quarta-feira 18, a Direção-Geral da Saúde (DGS) de Portugal informou a identificação de cinco casos de pessoas com o vírus da varíola dos macacos (monkeypox, em inglês). As autoridades de saúde da Espanha também declararam que estão testando oito casos suspeitos da doença, que na segunda-feira 16, chegou a sete diagnósticos no Reino Unido, o que fez um alerta à Organização Mundial de Saúde (OMS).

“Foram identificados, neste mês de maio, mais de 20 casos suspeitos de infeção pelo vírus Monkeypox, na região de Lisboa e Vale do Tejo, cinco dos quais já confirmados pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge. Os casos, na maioria jovens, e todos do sexo masculino, estão estáveis, apresentando lesões ulcerativas”, diz o comunicado de Portugal. Segundo a DGS, mais de 20 casos estavam em análise, dos quais cinco foram confirmados.

Assim, a Europa chega a 12 contaminados com a doença que causa lesões na pele. De acordo com a Agência de Segurança Sanitária do Reino Unido (UKHSA), trata-se de uma doença rara, mas não grave, com os contaminados se curando em semanas. Os países europeus, porém, estão monitorando surtos desde o primeiro caso identificado pela agência britânica, no dia 7 de maio. “Isso é raro e incomum. A UKHSA está investigando rapidamente a fonte dessas infecções porque as evidências sugerem que pode haver transmissão do vírus da varíola dos macacos na comunidade, espalhado por contato próximo”, Susan Hopkins, a consultora médica chefe da agência britânica, em nota.

Na segunda-feira, a agência anunciou que os quatro novos contaminados no Reino Unido se identificaram como gays, bissexuais ou homens que fazem sexo com homens. O Ministério da Saúde espanhol e a DGS de Portugal não divulgaram qualquer informação sobre a orientação sexual dos infectados. “Estamos vendo transmissões entre homens que têm relações sexuais com homens, uma nova informação que devemos estudar adequadamente para compreender melhor a dinâmica (do contágio)”, disse Ibrahima Socé Fall, o diretor-geral adjunto da Organização Mundial da Saúde (OMS) para intervenções de emergência.

Depois do alerta, a OMS anunciou, na terça-feira 17, que quer esclarecer os casos de varíola do macaco detectados na Europa, uma infecção viral rara com sintomas que incluem febre, dores de cabeça e erupções cutâneas que começam no rosto e se espalham para o resto do corpo. Semelhante à varíola humana, é mais leve, registrada pela primeira vez na República Democrática do Congo nos anos 1970.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)