Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Vacinação: 2016 teve a menor cobertura da última década

Segundo o governo, a cobertura vacinal de 2016 foi a menor dos últimos 10 anos. Mais de 50% das crianças e adolescentes estão com a vacinação desatualizada

Por Da Redação 13 set 2017, 13h04

Nesta quarta-feira, o Ministério da saúde informou que o ano de 2016 apresentou a menor cobertura vacinal da última década. Segundo o governo, 53% das crianças menores de cinco anos, crianças de nove anos e adolescentes de 10 a 15 anos incompletos estão com a carteira de vacinação desatualizada.

  • Baixa cobertura vacinal

    Dados do Programa Nacional de Imunizações (PNI), apontam que entre os bebês de até um ano de idade, 760.000 ainda não foram vacinadas com BCG, 950.000 com a hepatite B, e 470.000 com pneumocócica e rotavírus. Ainda para esse grupo, 240.000 precisam se imunizar contra a meningite C, 790 contra a poliomielite, 1,1 milhão contra a febre amarela e 320.000 precisam tomar a vacina pentavalente, que protege contra XXXX.

    Nas crianças com um ano, 150.000 não receberam a tríplice viral, 470.000 estão sem a pneumocócica e 180.000 também não receberam o primeiro reforço contra meningite C. Já, para o grupo de vacinas recomendadas para crianças com 15 meses, são 840.000 crianças sem vacina para hepatite A, 1,1 milhão para DTP, 800.000 para pólio e 707.000 crianças sem a tríplice viral.

    A situação é mais crítica nos adolescentes:  5,9 milhões de adolescentes de ambos os sexos com idade entre 12 e 13 anos ainda não tomaram o imunizante contra a meningocócica C e 1,3 milhão de jovens não foram vacinados contra a hepatite B. O mesmo ocorre na vacina de HPV: 73,6% das meninas de 9 a 15 anos foram vacinadas com a primeira dose e apenas 47% receberam as duas doses. Já entre os meninos dessa faixa etária, somente 23,6% foram vacinados. A vacina de febre amarela, tem estimativa de cerca de 2,4 milhões de pessoas vacinadas abaixo dos 14 anos.

    Riscos

    Embora, de uma forma geral, o Brasil tenha altas coberturas vacinais, ainda há uma heterogeneidade regional nas coberturas, o que aumenta o risco de doenças que já estão erradicadas voltarem ao país.

    Campanha

    Para tentar mudar esse cenário, o governo lançou na segunda-feira a campanha de multivacinação. Até o dia 22 de setembro, 47 milhões de crianças e adolescentes devem comparecer aos postos de vacinação para colocar em dia a sua imunização. Neste ano, mais de 47 milhões de crianças menores de cinco anos, crianças de nove anos e também adolescentes de 10 a 15 anos incompletos deverão ir aos postos para atualizarem o calendário vacinal.

    Nesse período, estarão disponíveis 13 vacinas para crianças e oito para adolescentes em 36.000 postos fixos de vacinação. Além do envio de 143,9 milhões de doses de vacina de rotina, o Ministério da Saúde afirmou que distribuiu 14,8 milhões de doses extras de 15 vacinas para a campanha.

  • Dia D

    Neste sábado, será o dia D da vacinação, quando postos de saúde em todo país estarão de portas abertas para imunizar crianças e adolescentes. O Ministério também planeja instituir um dia nacional de vacinação nas escolas. “Pretendemos avançar ainda mais na conscientização dos pais para a importância da vacinação de crianças e adolescentes. A campanha que lançamos hoje reforça que todos os dias são dias de vacina. Só com essa conscientização é que a população brasileira estará protegida de uma série de doenças que são facilmente preveníeis apenas com vacinação,” enfatiza Ricardo Barros.

    Continua após a publicidade
    Publicidade