Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Stress aumenta risco de morte por doença no fígado

É o primeiro estudo que mostra uma conexão entre altos níveis de stress e doenças hepáticas

Pesquisadores da Universidade de Edimburgo, na Escócia, mostraram que sofrer de stress, ansiedade ou depressão aumenta o risco de morte por doenças no fígado. É a primeira vez que uma pesquisa científica estabelece relações entre altos níveis de stress emocional e óbito causado por problemas hepáticos. O estudo foi publicado na última edição da revista Gastroenterology.

Para a pesquisa, 165.000 pessoas foram submetidas a questionários para avaliar os níveis de stress. Depois, os voluntários foram acompanhados por um período de dez anos. No fim, os pesquisadores avaliaram quais problemas de saúde foram enfrentados durante o estudo e as causas de morte. Os resultados mostraram que aqueles que apontaram um maior número de sintomas de stress no início tinham maior risco de morrer por doenças hepáticas em comparação com quem apresentava menos sinais.

LEIA TAMBÉM:

Aprovado pela Anvisa, remédio inova no tratamento da hepatite C

Acúmulo de gordura no fígado afeta 32% dos paulistanos

Os mecanismos biológicos por trás do achado ainda não foram completamente esclarecidos. Pesquisas anteriores já mostraram, por exemplo, que pessoas expostas ao stress prolongado têm mais probabilidade de sofrer de doenças no coração. Ao mesmo tempo, os fatores de risco cardiovascular – como obesidade e aumento de pressão arterial – têm sido relacionados a uma forma comum de doença no fígado, que é conhecida como esteatose hepática não alcoólica. A enfermidade é causada pelo acúmulo de gordura no fígado e não possui sintomas. O diagnóstico geralmente é feito a partir de ultrassom na região abdominal.

“Essa pesquisa fornece evidências dos efeitos prejudiciais que a aflição psicológica pode ter no bem-estar físico. Embora não seja possível confirmar a relação direta entre causa e efeito, temos fortes evidências de que é importante fazer uma análise mais aprofundada sobre o tema”, disse Tom Russ, autor principal do estudo.

(Da redação)