Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

SP inicia testes rápidos para coronavírus em pessoas assintomáticas

Com 89% dos leitos de UTI da Grande São Paulo ocupados, pacientes poderão ser transferidos para cidades próximas no interior

Por Da redação Atualizado em 30 abr 2020, 20h08 - Publicado em 30 abr 2020, 14h20

O governo do estado de São Paulo anunciou nesta quinta-feira 30 que vai aplicar testes rápidos para coronavírus em pessoas que tiveram contato com pacientes positivos para Covid-19 mas permaneceram assintomáticas por mais de 14 dias. A iniciativa será implementada até o dia 15 de maio e cerca de um milhão de exames do tipo serão usados nessa primeira fase.

Profissionais das áreas da saúde e da segurança pública, população privada de liberdade, doadores de sangue e pessoas que vivem em asilos, casas de repouso, orfanatos, comunidades terapêuticas e os menores da Fundação Casa também poderão realizar o teste, independentemente de terem tido contato com pessoas infectadas.

ASSINE VEJA

Coronavírus: uma nova esperança A aposta no antiviral que já traz ótimos resultados contra a Covid-19, a pandemia eleitoral em Brasília e os fiéis de Bolsonaro. Leia nesta edição.
Clique e Assine

De acordo com Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, um projeto-piloto já foi iniciado em parceria com a Polícia Militar e seus familiares, totalizando 145.000 pessoas.

Pessoas que tiveram contato com pacientes infectados pelo novo coronavírus e estão sem sintomas há menos de 14 dias e pessoas com sintomas leves irão realizar o exame do tipo RT-PCR, que identifica o material genético do vírus e é indicado para  fase aguda da infecção. Já aquele que apresentarem sintomas leves da doença após 14 dias deverão realizar o teste rápido.

O teste identifica rápido a presença de anticorpos IgM e IgG e dá o resultado em apenas 15 minutos, sinalizando se a pessoa já foi infectada ou não. Entretanto, como há possibilidade de falso negativo, a recomendação é considerar o histórico do paciente. Já o teste RT-PCR é considerado o padrão ouro, mas é indicado apenas para uma fase aguda da infecção. Esse tipo de exame já vinha sendo realizado na rede pública de São Paulo, com prioridade para óbitos, casos graves e profissionais da saúde.

Continua após a publicidade

“Estamos ampliando a estratégia de testagem da população e esperamos com isso ter uma melhor dimensão da curva de infecções no Estado de São Paulo. Isso é fundamental para a tomada de decisões no enfrentamento da pandemia”, afirma Covas.

LEIA TAMBÉM:
Coronavírus: testes rápidos em farmácias confundem mais do que informam

Transferência de pacientes

Nesta quinta-feira, o secretário de estado da Saúde, José Henrique Germann informou que 89% dos leitos de UTI da Grande São Paulo estão ocupados e que pacientes poderão ser transferidos para o interio. A taxa de ocupação de leitos de UTI do estado é de 69,3%.

Atualmente, 2.138 pacientes estão internados em UTI no estado de São Paulo e 1.744 em enfermaria. A taxa de ocupação dos leitos de enfermaria é de 48% no estado e de 73% na Grande São Paulo.

O estado de São Paulo tem 28.698 casos confirmados de coronavírus nesta quinta-feira 30, um aumento de 10% em 24 horas. Já o número de óbitos subiu para 2.375, o que representa um acréscimo de 6%. Segundo Germann, esse índice de aumento no número de mortos é semelhante aos observados na semana passada e retrasada.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade