Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Rio de Janeiro volta a ter queda em mortes por Covid-19

O estado apresentou redução de 32,4% na média móvel diária de novos óbitos, em comparação aos números das duas últimas semanas

Por Giulia Vidale Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 19 mar 2021, 15h46 - Publicado em 5 out 2020, 18h24

Após um período de aumento, o estado do Rio de Janeiro voltou a apresentar queda na curva de óbitos pela Covid-19, segundo levantamento feito por VEJA com base nas médias móveis e usando os dados oficiais. Nesta segunda-feira, 5, o estado registrou uma média móvel de mortes de 69,9, uma queda de 32,4% em relação há duas semanas.

ASSINE VEJA

Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemia
O novo perfil que Bolsonaro quer para o STF Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemia ()
Clique e Assine

Por outro lado, o número de novos casos está aumentando, na comparação com o mesmo período. Nesta segunda-feira, 5, a média móvel de casos registrados no Rio de Janeiro foi de 1.618,9, contra 1.319,4 registrados há 14 dias. A capital fluminense apresenta redução semelhante à do estado: queda de óbitos e um aumento expressivo nos novos diagnósticos pela doença.

LEIA TAMBÉM: Entrevista: “Para viver com saúde, a gente precisa refletir sobre a morte”

Na última sexta-feira, 2, a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro divulgou a sétima edição da nota técnica e do painel de indicadores sobre a pandemia de coronavírus no estado. De acordo com o documento, 98% da população está em áreas de baixo risco para Covid-19. Somente a Região Centro-Sul, cuja população corresponde a menos de 2% da total do estado, encontra-se em risco moderado de contrair a doença.

Os motivos apontados pela Secretaria para melhora nos índices incluem a redução de óbitos por síndrome respiratória aguda grave (Srag) em relação às semanas anteriores e redução nas taxas de ocupação de leitos. Embora a queda de óbitos seja um ponto positivo, o aumento dos casos gera um alerta, principalmente diante dos frequentes recordes de calor e aglomerações nas praias. Vale ressaltar que as medidas de prevenção, incluindo distanciamento físico de 1,5 metro de outras pessoas, uso de máscara, higienização constante das mãos e evitar aglomerações ainda são as únicas formas de reduzir o risco de se transmissão e de controlar a doença.

Continua após a publicidade

A média móvel semanal é calculada a partir da soma do número de casos e mortes nos últimos sete dias, dividida por sete, número de dias do período contabilizado – o que permite uma melhor avaliação ao anular variações diárias no registro e envio de dados pelos órgãos públicos de saúde, problema que ocorre principalmente aos finais de semana. O valor final, comparado com as últimas semanas e meses, dá uma noção mais ampla do aumento ou diminuição do contágio.

O levantamento só considera que houve aumento ou queda na taxa quando a variação for superior a 15%, segundo critérios da Organização Mundial da Saúde (OMS) – abaixo disso, a situação é tida como de estabilidade.

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.