Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Relatório chinês aponta origem do coronavírus em mercado de animais

Nova análise de sequências genéticas coletadas em Huanan mostra que cães-guaxinins vendidos no local podem ter carregado e espalhado o vírus da Covid-19

Por Diego Alejandro
21 mar 2023, 17h42

Desde a primeira vez que o novo coronavírus foi identificado em dezembro de 2019, na cidade de Wuhan, na China, muitas suspeitas foram levantadas de que o mercado de animais vivos de Huanan seria o berço da Covid-19, doença que se espalhou pelo mundo e matou quase 7 milhões de pessoas. 

Agora, dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da Chinados, referentes aos primeiros dias da pandemia, trouxeram informações cruciais sobre as origens do surto. Encontradas e analisadas por uma equipe internacional de cientistas, no entanto, elas não estão mais disponíveis no banco de dados internacional Gisaid.

Entre essas informações, os pesquisadores acharam sequências do vírus SARS-CoV-2 e dados genômicos adicionais baseados em amostras retiradas de um mercado de animais vivos em Wuhan em 2020. Os exemplares apontaram que cães-guaxinins, nativos do extremo-leste asiático, e outros animais suscetíveis ao coronavírus estavam presentes no mercado e podem ter sido infectados, fornecendo uma nova pista na cadeia de transmissão que acabou atingindo os humanos. “Isso aumenta o corpo de evidências que identifica o mercado de Huanan como o local de propagação do SARS-CoV-2 e o epicentro da pandemia de Covid-19”, descreve o relatório.

Autoridades da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmaram na semana passada que as informações não são conclusivas, mas representam uma nova pista na investigação sobre as origens do coronavírus e que deveriam ter sido compartilhadas imediatamente.

A agência da ONU (Organização das Nações Unidas) para a saúde disse anteriormente que todas as hipóteses para as origens do SARS-CoV-2 permanecem sobre a mesa, incluindo a que o vírus teria surgido de um laboratório de alta segurança em Wuhan que estuda patógenos perigosos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.