Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pular o café da manhã eleva risco de morte por doenças cardiovasculares

Não se alimentar de manhã interfere na saciedade e leva ao hábito de comer em excesso, o que pode levar a ganho de peso, obesidade e síndrome metabólica

Por Redação
Atualizado em 4 jun 2024, 16h12 - Publicado em 16 Maio 2019, 16h32

Muitas pessoas acreditam que o café da manhã é a refeição mais importante do dia. Segundo novo estudo, essa afirmação pode de fato estar correta. Isso porque pesquisadores descobriram que indivíduos que não se alimentam pela manhã apresentam risco 87% maior de morte relacionada a doenças cardiovasculares, especialmente acidente vascular cerebral (AVC). A justificativa: pular o café da manhã está associado a mudanças no apetite, o que diminui a saciedade e desencadeia o hábito de comer em excesso que, por sua vez, leva ao ganho de peso. Além disso, a falta da refeição eleva o risco de síndrome metabólica (ligada a doenças cardiovasculares), obesidade, colesterol alto, diabetes tipo 2 e hipertensão.

“O café da manhã é tradicionalmente considerado a refeição mais importante ou uma das mais relevantes do dia. Nossas descobertas mostraram consistentemente que pular esta refeição está relacionado a fortes fatores de risco para morte cardiovascular”, comentou Wei Bao, principal autor da pesquisa, à CNNA pesquisa, publicada recentemente no periódico Journal of American College of Cardiology, ainda definiu que não fazer a primeira refeição do dia é um marcador comportamental que indica hábitos de vida pouco saudáveis.

De acordo com a equipe, este é o primeiro estudo a avaliar o impacto do café da manhã no risco de morte por doenças cardiovasculares. Apesar disso, os cientistas esclareceram que os resultados representam apenas uma associação e não a causa dos riscos apresentados. Ou seja, mais pesquisas serão necessárias para determinar se a falta dessa refeição pode realmente reduzir a expectativa de vida e o motivo para que isso aconteça. 

O estudo

Os pesquisadores da Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, analisaram dados de 6.550 pessoas, entre 40 e 75 anos, durante os anos de 1988 e 1994. Para a avaliação, os participantes precisaram definir qual eles consideravam o café da manhã e com que frequência eles faziam essa refeição. A análise mostrou que 59% tomavam café diariamente, 25% comiam de vez em quando, 10,9% raramente faziam a refeição e 5,1% nunca consumiam o café da manhã. 

O estado de saúde dos participantes foi acompanhada até 2011. Durante esse período, os pesquisadores notificaram 2.318 mortes – 619 por doença cardiovascular. Uma segunda análise relacionou a frequência do café da manhã, a mortalidade e se o óbito estava relacionada à saúde cardiovascularOs resultados mostraram que os participantes que não comiam pela manhã tinham maior risco de morte por doença cardíaca e vascular. Essas associações foram realizadas independente do nível socioeconômico, índice de massa corporal (IMC) e fatores de risco cardiovascular.

Estudo de 2013, publicado na revista Circulation, já havia indicado que o café da manhã estava relacionado a riscos significativamente menores de doença coronariana em homens.

Críticas

Embora os novos achados sejam significativos, o estudo teve algumas limitações, como falta de informações sobre os tipos de alimentos e bebidas consumidos no café da manhã ou se os padrões de consumo mudaram entre 1994 e quando os dados de mortalidade foram coletados. Além disso, especialistas afirmam que o estudo não analisou se aqueles que pulavam o café da manhã também mantinham hábitos de vida insalubre, como tabagismo, má alimentação, alcoolismo, renda familiar mais baixa e sedentarismo.

Outro ponto destacado pelos críticos é de que os pesquisadores não consideraram que deixar de tomar café da manhã poderia estar ligado à prática do jejum intermitente – dieta que envolve realizar um ciclo de 12 a 16 horas sem comer e depois voltar a comer normalmente. Essa dieta tem como objetivo restringir a ingestão de calorias e já foi associada a redução de risco de obesidade, diabetes, câncer e doença hepática gordurosa não alcoólica (acúmulo de gordura no fígado em pessoas que não bebem ou bebem pouco).
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.