Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Pesquisa pode ajudar a identificar melhor os sintomas que antecedem a menopausa

Especialistas identificaram padrões de alguns problemas experimentados antes do período e como, e por quanto tempo, eles persistem

Por Da Redação 24 fev 2012, 10h55

Um novo estudo publicado neste mês na revista British Medical Journal (BMJ) pode auxiliar os médicos a identificar melhor os sintomas que antecedem a menopausa, assim como prever por quanto tempo eles vão durar durante a pós-menopausa. A pesquisa, conduzida na Universidade de Queensland, na Austrália, junto ao Conselho de Pesquisa Médica da Grã-Bretanha, estabeleceu perfis de acordo com os sintomas que podem aparecer nas mulheres antes da menopausa, determinando um padrão que relaciona intensidade e duração dos problemas antes e depois dessa fase.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Health symptoms during midlife in relation to menopausal transition: British prospective cohort study

Onde foi divulgada: revista British Medical Journal (BMJ)

Quem fez: Gita D Mishra e Diana Kuh

Instituição: Universidade de Queensland, Austrália

Dados de amostragem: 695 mulheres de 47 a 54 anos que haviam passado pela menopausa

Resultado: Sintomas psicológicos, vasomotores e desconforto sexual estão ligados diretamente à menopausa, ao contrário dos sintomas somáticos. A intensidade e a duração dos sintomas experimentados antes da menopausa determinam as características dos sintomas que serão sentidos durante e após o período.

Segundo o levantamento, a gravidade e a amplitude dos sintomas que as mulheres experimentam na meia-idade têm padrões e gravidade diferentes, e essas características presentes antes da menopausa podem determinar como a mulher se sentirá durante essa fase. Por exemplo, os especialistas indicaram que mulheres que experimentam sintomas leves antes de entrar na menopausa têm menos riscos de desenvolverem sintomas graves posteriormente.

A pesquisa – Para chegar às conclusões, os pesquisadores basearam-se em dados de 695 mulheres que participaram do Estudo Longitudinal Australiano, uma pesquisa anual feita com mulheres de meia idade. Elas tinham entre 47 e 54 anos e haviam passado pela menopausa, mas nenhuma havia feito tratamento hormonal ou histerectomia. Elas informaram sobre 20 sintomas de saúde em comum, que foram classificados em quatro grupos: psicológicos (como ansiedade e depressão); somáticos (como dores de cabeça e nas articulações); vasomotores (ondas de calor e suores noturnos, por exemplo); e desconforto sexual. Os pesquisadores concluíram que, exceto os somáticos, todos os outros sintomas tinham relação direta com a menopausa na maioria das mulheres.

Após observarem a duração e a intensidade dos sintomas, os especialistas identificaram os padrões existentes e classificaram as mulheres de acordo com os perfis de sintomas de cada uma. Por exemplo, as participantes que apresentaram sintomas psicológicos graves antes da menopausa tinham mais chances de atingir uma intensidade maior do problema um ano após o início desse período.

Outro padrão foi encontrado entre as mulheres cujos sintomas vasomotores graves começaram antes da menopausa e aumentaram até a chegada do período: elas tendiam a sentir cada vez menos calores após a menopausa. Já aquelas que experimentaram esses sintomas mais tardiamente, as chances de conviver com eles durante quatro anos ou mais após a menopausa eram maiores. Curiosamente, os pesquisadores também observaram que mulheres com maiores níveis socioeconômico e de educação tinham menos chances de sofrer com sintomas vasomotores.

“Embora ainda seja ideal comparar os nossos resultados com os de outros estudos, acho que os perfis de sintomas fazem parte de um movimento em direção a uma abordagem mais adaptada às mulheres que estão próximas da menopausa. Nossa pesquisa indica que os profissionais de saúde podem fazer uma avaliação mais clara sobre o que as mulheres podem esperar nesse período com base no seu histórico de sintomas. Isso seria vantajoso não só em termos de garantia, mas na seleção de opções de tratamento”, afirma Gita Mishra, coordenadora do estudo.

Saiba mais

  • Causas
  • Sintomas e efeitos
  • Alimentação e reposição hormonal

Mariano Tamura, ginecologista do Hospital Israelita Albert Einstein Mariano Tamura, ginecologista do Hospital Israelita Albert Einstein Mariano Tamura, ginecologista do Hospital Israelita Albert Einstein Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo

O que é menopausa?

Qual a diferença entre climatério, menopausa e pós-menopausa?

A partir de que idade é comum a mulher ter a menopausa?

O que é menopausa precoce? Qual sua causa?

O que é menopausa artificial?

  • O que é menopausa?
  • Qual a diferença entre climatério, menopausa e pós-menopausa?
  • A partir de que idade é comum a mulher ter a menopausa?
  • O que é menopausa precoce? Qual sua causa?
  • O que é menopausa artificial?

Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo

Continua após a publicidade

Como diagnosticar a menopausa?

Por que as mulheres sofrem tanto com ondas de calor e alteração de humor na menopausa?

Homens podem sofrer com os mesmos efeitos que as mulheres apresentam na menopausa?

Quais as consequências da menopausa?

A menopausa afeta a libido da mulher?

Mulheres que retiraram o útero, mas preservaram o ovário, sentem os efeitos da menopausa?

  • Como diagnosticar a menopausa?
  • Por que as mulheres sofrem tanto com ondas de calor e alteração de humor na menopausa?
  • Homens podem sofrer com os mesmos efeitos que as mulheres apresentam na menopausa?
  • Quais as consequências da menopausa?
  • A menopausa afeta a libido da mulher?
  • Mulheres que retiraram o útero, mas preservaram o ovário, sentem os efeitos da menopausa?

Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo

O que pode ser feito para amenizar os sintomas da menopausa?

A reposição hormonal é segura?

Qual a alimentação adequada para diminuir os sintomas?

  • O que pode ser feito para amenizar os sintomas da menopausa?
  • A reposição hormonal é segura?
  • Qual a alimentação adequada para diminuir os sintomas?

*O conteúdo destes vídeos é um serviço de informação e não pode substituir uma consulta médica. Em caso de problemas de saúde, procure um médico.

Continua após a publicidade

Publicidade