Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Paciente com HIV pode ter se curado da Aids após transplante de medula

Esse é o segundo caso de remissão do vírus HIV e pode trazer respostas aos médicos rumo a uma cura definitiva

Por Da Redação
6 mar 2019, 00h14

Um homem soropositivo se tornou, no Reino Unido, o segundo adulto conhecido em todo o mundo a ficar livre do vírus da Aids depois de receber um transplante de medula óssea de um doador resistente ao HIV, informaram seus médicos sem revelar o nome do paciente.

Quase três anos após receber células-tronco da medula óssea de um doador com uma mutação genética rara que resiste à infecção do HIV, e mais de 18 meses após parar de usar remédios antirretrovirais, exames de alta sensibilidade ainda não mostram indícios de sua infecção de HIV anterior. “Não existe vírus ali que consigamos medir. Não conseguimos detectar nada”, disse Ravindra Gupta, professor e biólogo especializado em HIV que coliderou uma equipe de médicos para tratar o paciente.

 

 

Especialistas em Aids dizem que o caso marca um “momento crítico” na busca por uma cura, mas não significa que ela já foi descoberta. Gupta descreve o paciente como “funcionalmente curado” e “em remissão”, mas alerta: “É cedo demais para dizer que ele está curado”.

Esta é a segunda vez que um paciente deixa de exibir sintomas da Aids após receber um transplante de medula óssea – a primeira aconteceu em 2008 com um homem chamado Timothy Ray Brown, tratado em Berlim. “Ao alcançar a remissão em um segundo paciente usando um método semelhante, mostramos que o ‘paciente de Berlim’ não era uma anomalia”, declarou Gupta.

Continua após a publicidade

Atualmente, pessoas infectadas com o HIV podem manter a doença sob controle com a chamada terapia antirretroviral (ARV), mas o tratamento não elimina o vírus e deve ser continuado durante toda a vida dos pacientes. Cerca de 37 milhões de pessoas em todo o mundo estão infectadas com HIV, mas apenas 59% têm acesso à terapia.

O transplante de medula óssea não é o procedimento ideal, mas pode trazer respostas aos pesquisadores na busca por um tratamento definitivo. Desde seu surgimento nos anos 1980, a Aids já matou cerca de 35 milhões de pessoas.

 

(Com Reuters e AFP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.