Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

OMS monitora surto de pneumonia desconhecida em crianças na China

Entidade pediu dados epidemiológicos e clínicos ao país; ainda não é possível determinar se casos têm relação com aumento de outras doenças respiratórias

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 22 nov 2023, 21h57 - Publicado em 22 nov 2023, 21h54

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou nesta quarta-feira, 22, que solicitou explicações detalhadas à China após notificações sobre casos de pneumonia desconhecida em crianças no norte da China. A entidade teve como base publicação do Programa de Monitoramento de Doenças Emergentes (ProMED), da Sociedade Internacional de Doenças Infecciosas (ISID), que relatou  “”aglomerados de pneumonia não diagnosticada” e disse que “hospitais infantis em Pequim, Liaoning e outros locais ficaram sobrecarregados com crianças doentes”. Ainda segundo o programa, “escolas e aulas estiveram à beira da suspensão”.

Segundo a OMS, as informações foram divulgadas nesta terça-feira, 21, e a entidade pediu que o país apresente dados epidemiológicos e clínicos adicionais, além de resultados laboratoriais dos casos registrados na população infantil.

O comunicado do ProMED cita episódios de pacientes hospitalizados com febre alta e nódulos pulmonares e relatos de hospitais superlotados com fila de espera por atendimento que chega a duas horas.

A OMS informou que, na semana passada, integrantes da Comissão Nacional de Saúde da China divulgaram em uma coletiva de imprensa que o país registrava aumento na incidência de doenças respiratórias, resultado da redução das restrições para conter a disseminação da Covid-19 e da circulação de patógenos como o influenza (o vírus da gripe), vírus sincicial respiratório (VSR) e Mycoplasma pneumoniae (infecção bacteriana) – as duas últimas são infecções que costumam afetar crianças.

Continua após a publicidade

Segundo a entidade, ainda não é possível determinar se o aumento de doenças respiratórias em crianças está ligado ao quadro apresentado pelas autoridades sanitárias do país ou se são “eventos separados”. A OMS informou que monitora a situação e que está em contato com médicos e cientistas por meio de parcerias técnicas que mantém na China.

” A China dispõe de sistemas para recolher informações sobre tendências na gripe, doenças semelhantes à gripe, VSR e SARS-CoV-2, e relatórios para plataformas como o Sistema Global de Vigilância e Resposta à Gripe”, informou. A OMS recomendou que a população do país mantenha as medidas para evitar infecções, como manter a vacinação em dia, evitar contato com pacientes e higienizar as mãos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.