Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Nova subvariante da ômicron é a mais transmissível até agora, diz OMS

Mais ondas de Covid-19 são esperadas no mundo, mas sem o mesmo reflexo no número de mortes, afirma epidemiologista-chefe

Por Diego Alejandro
5 jan 2023, 14h45

A epidemiologista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Maria Van Kerkhove, anunciou que a subvariante da Ômicron XBB.1.5 é a versão mais transmissível da Covid-19 identificada até agora. A linhagem já foi detectada em 29 países e especialistas aconselham o público a se manter informado, mas não alarmado, enquanto trabalham para aprender mais sobre a cepa do coronavírus.

“Estamos preocupados com a sua vantagem de crescimento, em particular em países europeus e nos Estados Unidos”, disse ela em entrevista coletiva na tarde da quarta-feira,4. Durante o mês de dezembro, a porcentagem de novas infecções por Covid-19 em território americano causadas pela XBB.1.5 aumentou de 4% para 41%.

A alta transmissibilidade da subvariante é resultado do acúmulo de mutações, principalmente na proteína S, usada pelo coronavírus para invadir as células humanas. “Além disso, ela possui um escape imunológico, ou seja, consegue driblar a imunidade conferida pelas vacinas ou infecção prévia”, explica o infectologista Julival Ribeiro, membro da Sociedade Brasileira de Infectologia 

Entretanto, não se sabe ainda a gravidade dessa subvariante. Vale salientar que somente com análise genômica podemos saber se há circulação dessa cepa no Brasil. “A melhor estratégia é a vacina e continuar usando máscaras”, conclui Ribeiro

Continua após a publicidade

O Grupo Consultivo Técnico sobre Evolução de Vírus da OMS publicou um comunicado em que afirma que uma “avaliação de risco atualizada” sobre a subvariante está em andamento. O grupo reuniu-se na terça-feira, 3, para abordar também a situação sanitária na China, que vive uma explosão de novos casos da doença. Lá, porém, as amostras do coronavírus sequenciadas identificaram a predominância de outras linhagens da Ômicron já conhecidas, as BA.5.2 e BF.7.

“Esperamos mais ondas de infecção em todo o mundo, mas isso não precisa se traduzir em mais ondas de morte porque nossas contramedidas continuam funcionando”, concluiu Maria Van Kerkhove.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.