Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Mulher trans produz leite e amamenta bebê em caso inédito

Aos 30 anos, a americana recebeu medicamento que estimula a produção de leite e bloqueador de hormônios masculinos

Por da Redação
Atualizado em 16 fev 2018, 20h06 - Publicado em 16 fev 2018, 18h57

Uma mulher transgênero produziu leite e amamentou um bebê. O fato aconteceu nos Estados Unidos e chamou a atenção do mundo — principalmente, da comunidade médica ao redor do planeta. É a primeira vez que um fato como esse é reportado cientificamente, segundo pesquisa publicada no periódico Transgender  Health.

Com 30 anos de idade, a mulher trans (que nasceu com corpo de homem mas se identifica como uma mulher) quis amamentar o bebê depois que sua companheira, que estava grávida, decidiu que não queria ter essa experiência.

A produção de leite foi possível com um tratamento que envolveu a administração de um coquetel de remédios, incluindo um medicamento que estimula a produção de leite e um bloqueador de hormônios masculinos, além de um medicamento contra as náuseas chamado Domperidona, do Canadá — utilizado para estimular a produção de leite.

A terapia hormonal tem sido conduzida há seis anos.

“É um avanço impressionante”, disse Channa Jayasena, pesquisador da universidade britânica Imperial College especializado em endocrinologia reprodutiva.

Continua após a publicidade

O pesquisador agregou ainda que já havia ouvido relatos de casos como esses antes, mas nenhum estudo sobre isso havia sido publicado até agora — ainda que especialistas digam que não está claro se todos os medicamentos usados no tratamento da mulher foram realmente necessários, sendo essencial novas pesquisas para determinar qual é o tratamento ideal para mulheres trans que queiram amamentar.

Tratamento
Antes do nascimento do bebê, a mulher transgênero se consultou com médicos e manifestou seu desejo. Os médicos então a colocaram em um tratamento de três meses e meio, para ajudá-la a produzir leite artificialmente. Esse tratamento geralmente é fornecido a mulheres que adotaram bebês ou que tiveram filhos com o auxílio de barrigas de aluguel.

Como resultado, a mulher trans foi capaz de produzir uma quantidade “modesta, mas funcional” de leite – cerca de 240 ml por dia.

Segundo os pesquisadores, o leite da mulher trans foi a única fonte de alimentação do bebê por seis semanas. Durante esse período, o crescimento, a alimentação e os hábitos intestinais do bebê foram “apropriados ao desenvolvimento”.

Depois disso, o bebê também começou a tomar leite de fórmula, porque não havia uma quantidade suficiente de leite natural sendo produzida. Ele tem agora seis meses e ainda é amamentado como parte de sua dieta.

Continua após a publicidade

“Três meses e meio depois do início do regime, o bebê nasceu”, afirma o estudo. “A paciente amamentou exclusivamente durante seis semanas” e depois começaram a ser adicionados suplementos pela “preocupação de um volume de leite insuficiente”.  O desenvolvimento do bebê e seus hábitos alimentares foram normais, destaca o estudo.

Especialistas afirmam que os bebês devem ser alimentados com leite materno no primeiro ano de vida, ou mais, se possível, pelos benefícios para a saúde da criança, que excedem com folga os obtidos com o leite em pó.

Madeline Deutsch, diretora clínica do Centro de Excelência para a Saúde Transgênero de São Francisco, da Universidade da Califórnia, disse ser “muito cedo ara saber se o aleitamento transgênero é seguro e nutritivo para os bebês”.

Com BBC e AFP

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.