Clique e assine a partir de 9,90/mês

Morre no Mali a primeira infectada com ebola no país

Menina de 2 anos tinha retornado de uma visita à vizinha Guiné, país muito afetado pelo vírus. Pelo menos 43 pessoas tiveram contato com a criança

Por Da Redação - 24 out 2014, 23h24

Uma menina de dois anos recém-chegada da Guiné morreu no Mali, vítima do ebola, nesta sexta-feira. A jovem foi o primeiro caso identificado com o vírus no país.

“Apesar dos esforços consideráveis mobilizados pelos serviços de saúde, a menina morreu”, informou o Ministério da Saúde do Mali, em um comunicado. A informação foi confirmada pelo governador da região de Kayes, no oeste do país, para onde a garota havia sido levada e estava internada.

Leia também:

Primeira infectada pelo ebola nos EUA está curada

Continua após a publicidade

Estudo prevê que ebola pode matar 90 000 na Libéria até dezembro

A menina tinha retornado com a avó de uma visita a Kissidugu, no sul da Guiné, uma região particularmente afetada pelo vírus. Ela começou a sangrar pelo nariz ainda na Guiné, o que significa que ao retornar ao Mali, em 19 outubro, já estava infectada.

A menina e sua avó usaram o transporte público para voltar a Kayes, e passaram pela capital, Bamako. Até agora, foram identificadas 43 pessoas que estiveram em contato com a criança.

Um equipe da Organização Mundial de Saúde (OMS) foi enviada ao país para avaliar os sistemas de saúde e as condições da infecção. O governo aconselhou à população evitar os deslocamentos desnecessários para regiões da epidemia, e respeitar as medidas de higiene e precaução.

Continua após a publicidade

Epidemia – O Mali é o sexto país da África Ocidental a confirmar um caso de ebola. A maioria das mortes causadas pela epidemia do vírus aconteceram na Libéria, Serra Leoa e Guiné. Senegal e Nigéria também tiveram casos de ebola vindos de outros países e recentemente foram declarados livres do vírus. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a epidemia matou pelo menos 4.877 pessoas e infectou outras 9.936. A OMS, no entanto, ressalta que estas estatísticas estão subestimadas e que os dados reais podem ser o triplo disso.

(Com AFP)

Publicidade