Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Maioria da população passou a desrespeitar quarentena em SP

É a menor taxa desde o início da quarentena no estado; o governo espera que o índice de distanciamento chegue a 70%

Por Da redação Atualizado em 9 abr 2020, 16h48 - Publicado em 9 abr 2020, 15h24

Apenas 49% da população de São Paulo ficou em casa na última quarta-feira 8, de acordo com o governador João Doria. É a menor taxa desde o início da quarentena no estado. “Já chegamos a 59% nessa semana. A nossa meta, em São Paulo, é atingir 70% de isolamento.”, disse Doria. O índice de 59% de isolamento aconteceu no último domingo 5 e foi o maior registrado até o momento.

“Temos como objetivo alcançar 70% de isolamento. Essa é a orientação da medicina, essa é a orientação da ciência e dos profissionais que assessoram o governo do estado de São Paulo para limitar os efeitos da pandemia e termos menos pessoas infectadas e menos pessoas sob risco de morte.”, reforça o governador João Doria.

Os dados são do novo Sistema de Monitoramento Inteligente, que passou a monitorar dados fornecidos por quatro operadoras (Oi, Tim, Claro e Vivo) de telefonia celular para analisar se a população está respeitando as medidas de distanciamento social. Pessoas que vivem em regiões com alto índice de aglomeração receberão mensagens SMS com alerta – e se preciso, advertência – sobre a importância de ficar em casa. Em relação à privacidade dos dados, segundo a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen, os dados são anônimos e agrupados.

Nesta quarta-feira, o governador e as autoridades de saúde voltaram a ressaltar a importância do isolamento social para achatar a curva de infecções pelo novo coronavírus. “Se nós não tivéssemos feito o isolamento social, hoje nós teríamos 10 vezes mais pacientes portadores da virose do que temos hoje. Enquanto nós tivermos um isolamento social em 50% nós não iremos conseguir dobrar essa curva”, disse José Henrique Germann, secretário de estado da saúde de São Paulo.

Afirmaram também que não há plano nem previsão para o início de medidas de relaxamento do distanciamento social. “Nós não faremos nenhum relaxamento neste momento. Não há nenhum programa neste sentido e não há nenhuma justificativa de ordem de ciência e de ordem médica para promover isto. Nós não alcançamos o pico dessa doença. […] Então não faz sentido algum analisar relaxamento de medidas quando estamos em um pico ascendente, no pior período, no mais grave, no mais trágico e no mais triste na historia dessa pandemia em São Paulo”, ressaltou o governador João Doria.

O estado de São Paulo tem 6.708 casos e 428 mortes confirmadas pela doença. Entre os infectados, 1.648 pacientes estão internados – metade está em unidade de terapia intensiva (UTI), segundo o último boletim publicado na quarta-feira 8.

Tira-dúvidas por Whatsapp

Nesta quinta-feira, o governo anunciou o lançamento do programa “SP Perguntas – COVID-19”. Um canal de comunicação aberto à população, com respostas para as dúvidas mais frequentes sobre prevenção ao coronavírus e o combate a notícias falsas sobre a doença. Para ter acesso ao programa, basta adicionar o número à lista de contatos o número +55 11 95220-2923 e enviar uma mensagem com a palavra “Oi”.

Na sequência, o sistema enviará ao celular do usuário uma lista numerada de temas mais comuns sobre o coronavírus, como informações sobre a Covid-19, dicas de prevenção, checagem de notícias verdadeiras ou falsas e higiene domiciliar, entre outras. Ao responder com o número do tema escolhido, uma nova mensagem é enviada pela conta do Governo de São Paulo.

 

  • Continua após a publicidade
    Publicidade