Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

FDA alerta para risco de câncer após implante de silicone

Agência reguladora dos EUA chama a atenção para tumores associados a implantes de todos os tipos, incluindo os com superfícies texturizadas e lisas

Por Simone Blanes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 set 2022, 10h45 - Publicado em 9 set 2022, 10h44

A Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos, alertou nesta quinta-feira 8, que as mulheres que têm implantes mamários ou estão pensando em obtê-los podem desenvolver certos tipos de câncer no tecido cicatricial, que se forma ao redor dos implantes. Segundo a agência, os tumores malignos parecem ser raros, mas têm sido associados a implantes de todos os tipos, incluindo aqueles com superfícies texturizadas e lisas, preenchidos com soro fisiológico ou silicone.

Os cientistas já haviam associado um câncer incomum chamado linfoma anaplásico de células grandes (ALCL) – tipo de câncer do sistema imunológico – a implantes texturizados, cujos exteriores ásperos provavelmente causam mais inflamação do que os lisos, fato confirmado há uma década pela FDA. Mesmo assim, os implantes texturizados, fabricados pela Allergan, estiveram no mercado até 2019.

Agora, o novo alerta da agência chama a atenção para outro câncer, chamado carcinoma de células escamosas, e para outros tipos de linfoma que podem ser relacionados aos implantes. De acordo com a FDA, no entanto, são raros, com menos de 20 casos de carcinoma e menos de 30 casos de linfomas inesperados na cápsula – tecido cicatricial que se acumula ao redor do implante mamário – documentados.

Mas dada a história dos implantes e seu uso generalizado, as autoridades federais de saúde dos Estados Unidos sentiram que a preocupação era justificada. Em alguns casos, as mulheres foram diagnosticadas após anos de implantes mamários. Entre os sintomas estavam inchaço, dor, caroços e alterações na pele. “Os profissionais de saúde e as pessoas que têm ou estão considerando implantes mamários devem estar cientes de que casos foram relatados ao FDA e na literatura”, disse a agência, em nota.

“Casos de linfomas distintos do ALCL em mulheres com implantes mamários foram relatados na literatura científica por cerca de uma década”, afirmou Mark Clemens, professor de cirurgia plástica do MD Anderson Cancer Center, da Universidade do Texas, em Houston. Embora sejam extremamente raros e o novo aviso não deva ser motivo de alarme generalizado, o médico pede atenção. “A percepção de que o ALCL estava ligado a implantes mamários já havia nos deixado mais conscientes de que outras coisas poderiam estar acontecendo nessa área”, acrescentou.

Continua após a publicidade

O especialista também afirma que há muito tempo se sabe que o tecido cicatricial, como resultante da cirurgia de implante mamário, pode produzir carcinoma de células escamosas. “Mas a natureza dessa relação entre o implante e o câncer ainda não está clara. Uma ferida, que tenta curar por muito tempo, pode evoluir para essas coisas”, disse.

Em um ano típico, cerca de 400.000 mulheres recebem implantes mamários nos Estados Unidos, 300.000 por razões estéticas e 100.000 para reconstrução após mastectomias realizadas para tratar ou prevenir o câncer de mama. Durante o primeiro ano da pandemia, porém, os números caíram substancialmente, de acordo com a Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos.

No ano passado, a FDA colocou os chamados rótulos de caixa preta nos implantes mamários, alertando que eles estavam ligados a uma série de condições médicas crônicas, incluindo doenças autoimunes, dores nas articulações, confusão mental, dores musculares e fadiga crônica, bem como ao linfoma.

Entre as mulheres com maior risco de desenvolver doenças posteriores estão as pacientes com câncer de mama que fizeram ou planejam se submeter a tratamentos de quimioterapia ou radiação – e que representam uma grande porcentagem encorajadas a fazer reconstrução mamária com implantes. Fumantes e mulheres que têm lúpus ou diabetes também correm maior risco de complicações, segundo a FDA.

Continua após a publicidade

“Um terço das mulheres que têm implantes mamários sentirá dor na mama, sensibilidade ou perda de sensibilidade ou assimetria. Metade experimentará um aperto doloroso do tecido cicatricial ao redor do implante e um terço terá implantes que rompem ou vazam”, relatou a agência. “Quase 60% precisarão de outra operação para resolver problemas com implantes”.

A FDA disse ainda que não recomenda a remoção dos implantes mamários por causa do novo aviso, mas aconselha as mulheres a monitorar seus implantes e consultar um cirurgião ou um profissional de saúde se notarem quaisquer alterações anormais.

Os implantes texturizados feitos pela Allergan foram recolhidos depois que quase 600 casos de câncer e 33 mortes relacionados aos implantes.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.