Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Entenda a artrite, doença de Liam Gallagher

É comum desenvolver essa doença grave antes da velhice? Depende do tipo de artrite

Por Simone Blanes 11 Maio 2022, 14h54

Recentemente, Liam Gallagher, ex-vocalista da banda Oasis, revelou que está sofrendo de artrite. Algo que o deixa com uma dor excruciante e a percepção de que, provavelmente precisará de uma cirurgia no quadril. A maioria das pessoas associa a artrite à velhice, mas Gallagher tem apenas 49 anos. Então, quão incomum é desenvolver uma artrite tão grave antes da velhice? Na verdade, isso depende do tipo de artrite.

A mais comum é a osteoartrite, associada a fatores como envelhecimento, excesso de peso, lesões – como ruptura do ligamento cruzado anterior no joelho (uma afecção comum entre jogadores de futebol) e suscetibilidade genética. No caso de Gallagher, pode estar ligado à doença de Hashimoto – uma condição da tireoide com a qual ele foi diagnosticado há alguns anos e que também é associada à artrite.

Ao contrário da artrite reumatóide – doença autoimune que pode ocorrer em adultos mais jovens – a osteoartrite se desenvolve quando a cartilagem de absorção de choque que cobre a extremidade do osso se desgasta. Muitas vezes referida como uma “doença da cartilagem”, se caracteriza, na verdade, pela ausência de cartilagem. No entanto, é uma condição que afeta toda a estrutura da articulação, incluindo alterações no osso e nos tecidos moles, como os ligamentos.

O mais difícil de definir e gerenciar, porém, são as dores que as pessoas com osteoartrite experimentam. Acredita-se que ocorram por várias razões, incluindo alterações no osso que resultam no crescimento de esporões ósseos conhecidos como “osteófitos” e inflamação do tecido que reveste o interior da articulação, chamada de “membrana sinovial”.

Para a maioria das pessoas com esse tipo de artrite, manter a articulação funcional enquanto controla a dor crônica é o maior desafio. Mudanças no estilo de vida, como perder peso e exercitar-se para fortalecer os músculos de suporte, podem ajudar a manter a articulação por mais tempo. No entanto, a condição é progressiva e, para muitas pessoas, a substituição da articulação por meio de cirurgia é o último recurso.

Continua após a publicidade

Infelizmente, não há cura para a osteoartrite. Ao contrário da artrite reumatóide, em que o tratamento foi revolucionado nas últimas décadas, com novos medicamentos que visam e atenuam a resposta imune, desenvolvimentos semelhantes para o tratamento da osteoartrite ainda não surgiram.

Cirurgia

Os avanços na medicina moderna significam que a cirurgia de substituição da anca ou do joelho é cada vez mais rotineira – muitas vezes proporcionando uma articulação funcional e sem dor. A junta de substituição é feita de metal (geralmente titânio) em plástico. E embora acabe se desgastando, para muitas pessoas, sua articulação artificial ainda está forte depois de 15 ou até 20 anos.

Algumas pessoas ficam desanimadas pelo fato de ser um procedimento invasivo, com meses de recuperação e fisioterapia necessários para obter o uso total da articulação. Decidir se deve ou não substituir uma junta pode, portanto, ser difícil – como parece ser para Gallagher. Em entrevista à revista Mojo, o ex-vocalista do Oasis disse: “Acho que prefiro apenas sentir dor. O que é ridículo, obviamente. Eu sei”.

Outras considerações incluem a idade em que se substitui for uma articulação. Aos 49 anos, Gallagher é jovem para esse tipo de cirurgia. E quanto mais jovem a pessoa, maior a probabilidade de sua articulação de substituição se desgastar durante a vida, para ter que fazer uma segunda operação adiante.

No lado positivo, a cirurgia de substituição da articulação pode mudar a vida de uma pessoa, deixando-a sem dor e restaurando a função e a mobilidade das articulações. Embora aplicável a todos que sofrem de artrite, é particularmente relevante para pacientes mais jovens como Gallagher, pois pode permitir que continuem trabalhando e mantenham um estilo de vida ativo.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês