Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

ECMO: o aparelho que ajuda a salvar vidas na pandemia de coronavírus

A tecnologia é utilizada em casos gravíssimos e funciona como um pulmão artificial

Por Giulia Vidale Atualizado em 27 Maio 2020, 19h26 - Publicado em 27 Maio 2020, 10h53

A Covid-19 é uma doença sistêmica, ou seja, afeta várias partes do corpo. Entretanto, sua ação inicial e principal é nos pulmões. Em muitos pacientes, o vírus danifica o órgão de um jeito em que a pessoa não consegue respirar sozinha. É nessa fase que entram os equipamentos de suporte, como a cânula de oxigênio e o respirador.

O problema é que o ventilador mecânico apenas ajuda o paciente a respirar ao facilitar a entrada de oxigênio até os pulmões e a retirada do gás carbônico na expiração. Mas, em alguns casos, os alvéolos – pequenos sacos de ar responsáveis pela troca gasosa que oxigena o sangue – estão tão afetados que nem o ventilador mecânico é suficiente.

Nesses casos, há um último recurso: o ECMO, sigla em inglês para o procedimento chamado oxigenação por membrana extracorpórea. “Esse procedimento é usado em casos extremos, quando o doente não respondeu a nenhum recurso disponível anteriormente e esse é um dos últimos ou o último para mantê-lo vivo. Ele não é a cura, mas ajuda a manter a pessoa viva até que a doença passe”, explica o cirurgião cardíaco pediátrico do Incor Luiz Fernando Caneo, ex-presidente da Organização para Suporte Vital Extracorpóreo (Elso, na sigla em inglês) latino americana, responsável por interligar centros que oferecem o ECMO na América Latina.

O equipamento pode exercer simultaneamente a função do pulmão e do coração em pacientes em que um desses órgãos ou ambos – perdeu temporariamente a capacidade de realizar estas funções. “O equipamento tem uma bomba, que faz a vez do coração e um oxigenador que faz a vez do pulmão.”, explica Caneo.

LEIA TAMBÉM: O que sabemos sobre a bebida de Madagascar que trataria o coronavírus

Essa tecnologia já era usada em serviços de saúde de referência pelo Brasil e pelo mundo, mas era utilizada em situações específicas, como em cirurgias cardíacas, operações de grande porte ou durante transplantes de pulmão e coração. Agora, o equipamento ganhou nova importância e está sendo usado com frequência em pacientes com Covid-19 em serviços como o Hospital Albert Einstein, o Hospital Sírio-Libanês e o Hospital das Clínicas. Estima-se que cerca de 50 pacientes com Covid-19 tenham sido submetidos ao procedimento em todo o Brasil.

Continua após a publicidade

O Hospital Israelita Albert Einstein, responsável pelo diagnóstico do primeiro caso brasileiro do novo coronavírus em fevereiro e referência no tratamento da Covid-19 no país, adquiriu recentemente mais três equipamentos de ECMO. “São equipamentos de alta tecnologia e de grande complexidade. […]  Estes não estão presentes em todas as UTIs — nem do mundo, nem do nosso país. Já tínhamos algo semelhante, mas agora estamos ainda mais preparados para poder oferecer aos pacientes mais graves pela Covid-19 ou por outra doença que deteriore o pulmão uma chance maior de recuperação”, explica Sidney Klajner, presidente da instituição.

ASSINE VEJA

Coronavírus: ninguém está imune Como a pandemia afeta crianças e adolescentes, a delação que ameaça Witzel e mais. Leia na edição da semana
Clique e Assine

Como funciona

Praticamente, é como se a máquina “respirasse” pelo paciente. Ela drena o sangue de uma veia, remove o dióxido de carbono, acrescenta oxigênio, aquece o sangue e depois retorna o sangue para uma outra veia ou artéria. Ao oxigenar o sangue externamente, a máquina permite que o pulmão se recupere e o paciente tenha possibilidade de melhora. “O ventilador mecânico não substitui a função do pulmão do paciente, ele só fornece um fluxo de ar para o interior dos pulmões. Já este equipamento funciona como um pulmão adicional”, explica Celso Freitas, diretor médico da LivaNova, empresa global de tecnologia médica, que forneceu os novos equipamentos ao Hospital Albert Einstein.

Tão importante quanto o equipamento, é o treinamento dos profissionais de saúde em sua utilização. É necessário um cirurgião para inserir os dispositivos no pacientes, uma equipe clínica altamente treinada para operar a máquina e equipe de suporte para monitorar o paciente o tempo todo. “O maior problema hoje é a demanda aumentada por esses dispositivos e o treinamento das equipes multiprofissionais para usarem essa tecnologia. Isso não é uma coisa que pode ser feita da noite para o dia, tão pouco por centros que não se prepararam para oferecer esse tratamento antes da pandemia”, afirma Caneo.

Por ser um procedimento complexo e invasivo, sua principal indicação é para pacientes jovens, com lesão pulmonar grave. E é um tratamento longo. Os pacientes costumam ficar pelo menos 15 dias nesse suporte.

“A ECMO ocupa hoje um importante papel no aumento da sobrevida dos pacientes. Em todas as epidemias anteriores, a ECMO surgiu como apoio para pacientes com insuficiência respiratória aguda grave. Na epidemia de H1N1, por exemplo, hospitais que ofereceram ECMO ao paciente tiveram maior taxa de recuperação do que aqueles sem essa tecnologia.”, diz o cirurgião cardíaco Luiz Caneo.

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade