Clique e assine com 88% de desconto

Custo anual da osteoporose no Brasil é de R$ 1,2 bilhão

Mais da metade deste montante - R$ 733,5 milhões - está associada à perda de produtividade, revela um novo estudo

Por Giulia Vidale - Atualizado em 26 abr 2019, 19h27 - Publicado em 26 abr 2019, 18h54

A osteoporose afeta 200 milhões de pessoas no mundo, 10 milhões só no Brasil. Segundo dados de um novo estudo, no mundo, o custo anual de hospitalização por fraturas causadas pela doença é de 19,8 bilhões de reais. Este valor é maior que o custo de infarto (16,7 bilhões de reais), derrames (11,7 bilhões de reais) e câncer de mama (1,9 bilhões de reais).

No Brasil, a osteoporose custa 1,2 bilhão de reais anualmente. Mais da metade (61%) deste montante, o equivalente a 733,5 milhões de reais, está associado à perda de produtividade. As despesas com hospitalização representam 234 milhões de reais e os custos cirúrgicos, 162,6 milhões de reais.

As informações são provenientes do estudo The burden of osteoporosis in four Latin American countries: Brazil, Mexico, Colombia, and Argentina, publicado recentemente na revista científica Journal of Medical Economics. A pesquisa considerou dados de epidemiologia, impacto econômico, diagnóstico, tratamento, gestão e políticas públicas em quatro países da América Latina: Brasil, México, Colômbia, Argentina.

“O objetivo do estudo foi analisar a carga de saúde provocada pela doença na América Latina. Esse conceito foi desenvolvido pela Universidade Harvard, nos Estados Unidos, e pela OMS para avaliar de forma completa o grau de comprometimento que a doença traz para a população.”, explica Ben-Hur Albergaria, professor de epidemiologia clinica da Faculdade Federal do Espirito Santo e pesquisador do Centro de Pesquisa em Osteoporose do Espirito Santo (Cedoes).

Publicidade

O estudo, realizado pela farmacêutica Amgen, em parceria com a consultoria americana Cornestone Research Group, avaliou que em 2018 o fardo da osteoporose nesses quatro países chegou a 4,5 bilhões de reais e tende a aumentar para cerca de 6 bilhões de reais anuais até 2026. Por outro lado, o custo com medicação corresponde a 31,9 milhões de reais e os valores dedicados ao diagnóstico alcançam 45,2 milhões de reais.

Em 2018, brasileiros, mexicanos, colombianos e argentinos de 50 a 89 anos sofreram 840.239 fraturas em decorrência da osteoporose, 159.533 delas de quadril – o tipo mais grave devido ao alto risco de morte. Estima-se que se não houver ampliação do acesso a diagnóstico e tratamento, essas fraturas irão aumentar 14% em 2022.

Nesses países, o tempo médio de espera para cirurgia de uma fratura de quadril é de 5 a 7 dias, enquanto a OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda intervenção em até dois dias. O atraso aumenta o risco de morte nos primeiro mês após a fratura. Além disso, cerca de 60% dos pacientes com osteoporose de alto risco não são tratados.

“O Brasil é um dos poucos países da America Latina que tem a osteoporose como prioridade em termos de saúde publica. é preciso trabalhar com ferramentas simples como a identificação precoce de pacientes de alto risco e iniciar o tratamento de quem precisa. A osteoporose esta presente na sociedade e só vai aumentar. Não da para fechar os olhos e achar que ela não existe”, afirma Albergaria.

Publicidade

Com o envelhecimento da população, o número de casos da doença tende a crescer. Em 2015 a população brasileira entre 50 anos e 89 anos era de 46 milhões de pessoas. E até 2030 eles serão 69,7 milhões. Em relação ao número de fraturas, em 2015 elas alcançaram 373.000 . A estimativa é de chegarmos a 608.000 fraturas em 2030, um aumento de 63%, se nada for feito.

A osteoporose

A osteoporose é uma doença silenciosa, que avança lentamente. Não há dor nem sintomas. Os ossos tornam-se porosos, frágeis, e podem partir-se como gravetos. O pesadelo assombra principalmente as mulheres que já passaram pela menopausa. Uma em cada três mulheres com mais de 50 anos tem a doença. Entre os homens da mesma faixa etária, um em cada cinco é afetado.

O osso, diferentemente do que se imagina, não é uma estrutura estática. Desde a infância, o organismo troca constantemente células ósseas velhas por células novas. Na juventude, a construção prevalece sobre a destruição. Na osteoporose, o poder das células de erosão se torna maior e começam as perdas.

O paciente perde massa óssea, com isso aumenta o risco de fraturas, que podem acontecer mesmo no menor impacto e pode afetar negativamente sua qualidade de vida e prejudicar a independência para realizar tarefas do dia a dia.

Publicidade

As fraturas mais comuns (50%) são as vertebrais e, em segundo lugar (25%), as de quadril. Porém, a última é mais perigosa: cerca de 25% das pessoas morrem após um ano, 40% das pessoas ficam incapazes de andar de forma independente e 33% acabam totalmente dependentes ou em uma casa de repouso.

Fatores de risco

Ossos fracos são um mal tipicamente feminino. As mulheres correm um risco 2,5 vezes maior de adquiri-lo, principalmente após a menopausa. Isso porque o organismo feminino fica sem a proteção do hormônio estrógeno, que estimula justamente a formação de massa óssea.

Nos cinco anos que se sucedem à última menstruação, a mulher pode perder 5% de massa óssea por ano. Como, daí em diante, ainda tem cerca de um terço da vida pela frente, tomar cuidado é imprescindível. Os homens não passam ilesos pelas transformações da velhice, mas a baixa de hormônios entre eles é mais gradual. Até os 65 anos, a perda de osso não passa de 0,5% ao ano.

Outros fatores de risco incluem: histórico familiar da doença, mulheres baixas e magras,  deficiência na produção de hormônios, uso prolongado de medicamentos à base de cortisona, heparina e no tratamento da epilepsia; alimentação deficiente em cálcio e vitamina D; baixa exposição à luz solar,
sedentarismo, tabagismo, consumo de álcool e certos tipos de câncer.

Tratamento

Atualmente, os medicamentos disponíveis para o tratamento da doença atuam de duas maneiras distintas:  os bifosfonatos inibem a perda óssea, enquanto os paratormônios estimulam a formação de osso.

Publicidade

Recentemente, após quase duas décadas sem novas abordagens, uma estratégia baseada em uma rara mutação genética em pessoas com ossos tão densos que nunca quebram foi aprovada. O romosozumabe é o primeiro medicamento com duplo mecanismo de ação: aumenta a formação do osso ao mesmo tempo em que reduz a reabsorção óssea.

A droga é indicada para os casos mais severos da doença: mulheres na pós-menopausa com alto risco de fratura. Nos Estados Unidos, uma única dose, composta por duas injeções consecutivas, custa o equivalente a pouco mais de 7 000 reais. Devido ao preço e às contraindicações, especialistas preveem que o romosozumabe será oferecido a pacientes com maior risco ou que não responderam aos tratamentos convencionais. No Brasil, a aprovação do medicamento está prevista para no segundo semestre do próximo ano, a depender da Anvisa.

Diagnóstico

A osteoporose pode ser diagnosticada por meio de um exame chamado densitometria óssea. “Ele compara a densidade óssea do indivíduo com o de uma pessoa saudável de 30 anos e o diagnostico e feito com base nessa comparação.”, explica o reumatologista Charlles Heldan de Moura Castro, presidente da Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (Abrasso).

Diz Ben-Hur Albergaria, professor de epidemiologia clinica da Faculdade Federal do Espirito Santo e pesquisador do Centro de Pesquisa em Osteoporose do Espirito Santo (Cedoes): “Na rede pública há um déficit de densitômetros. Atualmente, O Brasil tem de 10 a 13 densitômetros para cada milhão de habitantes. O número ideal seria de 13 a 15. Além disso, há um distribuição desigual, concentrada nos grandes centros, dificultando o acesso fora do eixo da região sudeste.”

Publicidade

Prevenir é fundamental

Nenhum dos tratamentos disponíveis é capaz de curar a osteoporose. Portanto, a arma mais eficaz contra a doença é a prevenção. Ou seja, muito cálcio, vitamina D e ginástica moderada (veja quadro ao lado). Essas medidas devem ser adotadas desde a juventude. Explica-se: cerca de 90% da estrutura óssea é formada até os 20 anos. Quanto mais sólido for seu processo de calcificação, menor será o risco de a doença se manifestar mais tarde. É como quem poupa dinheiro para uma aposentadoria tranquila.

Publicidade