Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Coronavírus: Covid-19 é dez vezes mais letal que H1N1, diz OMS

Na falta de uma vacina, a organização orienta os países a lançarem campanhas de testes, planos de quarentena e monitoramento dos contactantes de infectados

Por Da Redação
Atualizado em 30 jul 2020, 19h25 - Publicado em 13 abr 2020, 16h52

O novo coronavírus é dez vezes mais letal do que o vírus responsável pela gripe A (H1N1), surgido no final de março de 2009 no México, disseram autoridades da Organização Mundial da Saúde (OMS), em coletiva de imprensa virtual nesta segunda-feira, 13.

“Os dados coletados em vários países nos dão uma imagem mais clara desse vírus, de seu comportamento, da maneira de contê-lo. Sabemos que a Covid-19 se espalha rapidamente e sabemos que é letal: dez vezes mais do que o vírus responsável pela pandemia de gripe de 2009″, declarou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em entrevista de Genebra.

Enquanto a nova pandemia de coronavírus deixou mais de 115.000 mortes em todo o mundo desde que surgiu na China em dezembro, segundo um balanço estabelecido pela Agência France Press com fontes oficiais, a gripe A (H1N1) deixou 18.500 mortos, segundo a OMS. No entanto, a revista médica Lancet estimou o número de óbitos entre 151.700 e 575.400.

Vacinas

A pandemia causada pelo vírus A (H1N1) levou a campanhas maciças de vacinação.

Continua após a publicidade

Na falta de uma vacina contra o novo coronavírus, a OMS orienta os países a lançarem campanhas de diagnóstico generalizadas entre os casos suspeitos, colocá-los em quarentena e acompanhar seus contactantes. Seu diretor reconheceu, contudo, que, na “era da globalização, significa que o risco da Covid-19 se reintroduzir e ressurgir pode continuar”.

“Por fim, o desenvolvimento e a distribuição de uma vacina segura e eficaz serão necessários para impedir completamente a disseminação”, enfatizou.

Dada a falta de testes e o congestionamento de muitos hospitais pelos infectados, os governos implementaram medidas de confinamento que levaram à paralisia de setores da economia. Entretanto, nos últimos dias, as pressões se multiplicam para retomar a atividade econômica.

Continua após a publicidade

O diretor da OMS recomendou que os países encontrem “o equilíbrio entre as medidas para combater a mortalidade por Covid-19 e outras doenças devido aos sistemas de saúde sobrecarregados e ao impacto socioeconômico” da pandemia.

Ele reiterou que as medidas de contenção serão progressivamente suspensas.

“Sabemos que em alguns países, os casos dobram a cada 3 a 4 dias. Enquanto o Covid-19 se espalha muito rapidamente, diminui muito mais lentamente”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Isso significa que as medidas devem ser suspensas lentamente e com controle”, insistiu.

(Com reportagem da AFP)

Continua após a publicidade

ASSINE VEJA

O vírus da razão O coronavírus fura a bolha de poder inflada à base de radicalismo. Leia também: os relatos de médicos contaminados e a polêmica da cloroquina ()
Clique e Assine
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.