Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Coronavírus: teste ‘revolucionário’ é aprovado na Inglaterra

Autoridades de saúde do país garantem que exame pode aferir com 100% de certeza se alguém contraiu ou não a Covid-19

Por Da Redação
Atualizado em 14 Maio 2020, 13h55 - Publicado em 14 Maio 2020, 13h47

Um teste chamado de “revolucionário” pelo primeiro-ministro britânico Boris Johnson para descobrir se uma pessoa já teve ou não a Covid-19 foi aprovado nesta quinta-feira 14 na Inglaterra. As autoridades de saúde do país garantem que o novo exame de anticorpos pode afirmar com 100% de certeza se alguém já contraiu o novo coronavírus.

ASSINE VEJA

Quarentena em descompasso Falta de consenso entre as autoridades e comportamento de risco da população transforma o isolamento numa bagunça. Leia nesta edição ()
Clique e Assine

O exame de sangue detecta os anticorpos presentes nos pacientes que foram expostos ao vírus, mesmo se eles não chegaram a desenvolver os sintomas da doença. Os profissionais da saúde que estão na linha de frente do combate serão as primeiras pessoas testadas no Reino Unido. A Public Health England, órgão que cuida da saúde pública no país, autorizou o primeiro teste comercial para uso da população.

“Na semana passada, nossos especialistas realizaram uma avaliação independente do novo teste de sorologia em tempo recorde, concluindo que é um teste com especificidade de 100%. Este é um desenvolvimento muito positivo, porque esse teste de anticorpos é um marcador muito confiável de infecção passada”, afirmou o coordenador do programa John Newton ao jornal The Times.

Continua após a publicidade

Uma especificidade de 100% significa que não há a probabilidade de haver um exame com um resultado falso positivo. Portanto, se os exames de uma pessoa identificar os anticorpos para a doença, significará que ela realmente contraiu o coronavírus, sem possibilidade de erro, garantem as autoridades britânicas.

A busca agora é para saber se os pacientes curados estão imunes. A Inglaterra acredita que isso permitirá que as autoridades meçam a extensão da contaminação pelo vírus e pode dar mais liberdade aos que foram testados como positivos. Os especialistas do país esperam que quem já teve a Covid-19 esteja imune por dois ou três anos. “O exame pode indicar alguma imunidade a infecções futuras, mas o fato de a presença de anticorpos indicar imunidade ainda permanece incerta”, ponderou Newton.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.