Clique e assine a partir de 9,90/mês

Covid-19: o que leva à complicação que causou a morte de Rodrigo Rodrigues

O jornalista e apresentador faleceu nesta terça-feira, 28, em decorrência de uma trombose venosa cerebral causa pela Covid-19

Por Da redação - Atualizado em 28 jul 2020, 17h48 - Publicado em 28 jul 2020, 16h50

Nesta terça-feira, 28, o jornalista, músico e apresentador Rodrigo Rodrigues morreu prematuramente em decorrência de complicações da Covid-19. Rodrigo tinha apenas 45 anos e estava internado desde o último sábado, 25, com um quadro de trombose venosa cerebral. O problema ocorreu 15 dias após o diagnóstico da doença.

A ciência já descobriu que a Covid-19 vai muito além de uma doença respiratória e ataca vários órgãos e sistemas do corpo, incluindo o cardiovascular. Dois estudos publicados na segunda-feira, 27, no periódico científico Jama Cardiology, trazem novas evidências sobre os efeitos do Sars-CoV-2 no coração.

Um deles identificou a presença do vírus no músculo cardíaco na maior parte (60%) das 39 vítimas submetidas a autópsia. O outro estudo, realizado com 100 pacientes recuperados de Covid-19 mostrou que 78% deles ainda tinha inflamação no coração mais de dois meses após a recuperação. 

A trombose venosa cerebral, problema que levou o jornalista à morte, acontece quando um trombo (coágulo) se forma dentro de um vaso do cérebro e interrompe o fluxo de sangue para determinada região. A infecção por coronavírus provoca uma inflamação dos vasos sanguíneos e isso aumenta o risco de trombose que pode atingir órgãos como pulmão, coração ou cérebro.

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM: Coronavírus: muito além dos pulmões

Não é incomum as infecções aumentarem o risco de coagulação. A pandemia de gripe espanhola de 1918, causada por uma nova cepa de gripe que matou cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo, também registrou a formação de coágulos em pacientes. Todos os vírus, incluindo HIV, dengue e Ebola, são conhecidos por tornar as células sanguíneas propensas a aglomeração. No entanto, o efeito pró-coagulação pode ser ainda mais pronunciado em pacientes com o coronavírus.

A associação entra a doença causada pelo novo coronavírus e o aumento da formação de coágulos ficou evidenciada em abril após a publicação de diversos estudos sobre o assunto, incluindo um feito no Brasil. Pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP em São Paulo encontraram microtrombos nos vasos mais finos que irrigam o pulmão em vítimas da Covid-19.

Ainda não se sabe exatamente o que causa a formação desses coágulos. As principais hipóteses incluem efeito da ação do próprio vírus ou da tempestade de citocinas, resposta exacerbada do sistema imunológico no combate ao vírus.

Continua após a publicidade

Assista abaixo um clipe preparado pela equipe da Revista Placar com momentos engraçados de sua rápida, porém marcante trajetória pela Editora Abril, entre maio e dezembro de 2017.

 

 

Publicidade