Clique e assine a partir de 9,90/mês

Covid-19: como o vírus ataca o cérebro

Pesquisadores do Reino Unido detectaram complicações neurológicas decorrentes do novo coronavírus – isso explica sintomas, como a falta de olfato e paladar

Por Da Redação - Atualizado em 16 jun 2020, 17h43 - Publicado em 16 jun 2020, 13h56

Especialistas do Reino Unido estudaram casos de pacientes contaminados com o novo coronavírus e identificaram o aparecimento de problemas mentais. A preocupação dos pesquisadores é que danos colaterais da Covid-19 podem gerar graves complicações neurológicas e distúrbios permanentes no cérebro e no sistema nervoso.

De acordo com os estudos de caso analisados pelos britânicos, o vírus pode causar problemas mentais decorrentes da infecção pelo corpo, incluindo psicose, confusão mental, depressão crônica e fadiga duradoura, mesmo entre pessoas mais jovens e que tiveram uma infecção mais branda. Também houve o aparecimento de doenças raras como catatonia (uma paralisação física e mental) e a síndrome de Guillain-Barre (quando as defesas do organismo destroem os próprios nervos).

O Reino Unido montou uma iniciativa para monitorar esses casos chamada CoroNerve, o Programa Nacional de Vigilância de Complicações Neurológicas da Covid-19, que envolve a Associação de Neurologistas Britânicos e pesquisadores da Royal College of Psychialists. O estudo desenvolvido, que ainda não foi publicado, avaliou os casos de 150 adultos britânicos com sintomas que refletem esses problemas. Quase um terço sofreu com distúrbios de humor e confusão. Há evidências de inflamação cerebral prejudicial nestes pacientes.

O CoroNerve mostrou que dez pacientes desenvolveram psicose, seis apresentaram sintomas semelhantes à demência e quatro tiveram quadros depressivos. Os resultados estavam “desproporcionalmente representados em pacientes mais jovens, entre 20 e 50 anos”, diz o estudo. “Elas variam de formas de encefalite (inflamação cerebral) até psicose e catatonia. É um espectro bastante amplo”, explica Benedict Michael, neurologista consultor da Universidade de Liverpool, que lidera o CoroNerve, em entrevista à Good Health.

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM
Além da falta de ar: sequelas que o coronavírus pode deixar após a cura

Os especialistas explicam que o dano deve estar ligado pela forma exagerada como o sistema imunológico dos pacientes reage ao vírus. Isso desencadeia uma reação inflamatória prejudicial ao cérebro e ao sistema nervoso. Benedict Michael traça um paralelo do dano neurológico ao pulmonar, causado por células imunológicas em pacientes graves da Covid-19. Essa hiper-reação causa a chamada “tempestade de citocinas”, que gera inflamação e destrói os tecidos.

Mesmo assim, os pesquisadores também encontraram casos em que o próprio vírus causa os problemas neurológicos através de uma infecção pelo sistema nervoso. Nesta situação, foram encontrados traços da Covid-19 no fluido da espinha e do cérebro dos pacientes. Casos semelhantes já foram relatados em estudos de outros países, como na Itália e nos Estados Unidos.

A infecção do cérebro ajudaria a explicar um dos sintomas: a perda de olfato e paladar. Um estudo publicado pelo Journal of the American Medical Association no mês passado descreveu o caso de um paciente que teve perda de olfato e paladar. A ressonância magnética mostrou que o novo coronavírus havia infectado regiões cerebrais. Os sintomas, porém, cessaram quando ele foi curado.

ASSINE VEJA

Os desafios dos estados que começam a flexibilizar a quarentena O início da reabertura em grandes cidades brasileiras, os embates dentro do Centrão e a corrida pela vacina contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine
Publicidade