Clique e assine a partir de 8,90/mês

Covas libera retorno de aulas no ensino superior

Ainda não há previsão para a retomada das aulas do ensino médio e fundamental

Por Da Redação - Atualizado em 17 set 2020, 13h37 - Publicado em 17 set 2020, 13h26

Nesta quinta-feira, 17, o prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas, anunciou a liberação da retomada das aulas presenciais do ensino superior a partir de 7 de outubro. Ainda não há previsão para o retorno das aulas do ensino médio e fundamental público e privado no município. Mas, atividades extracurriculares oferecidas pelas escolas poderão ser realizadas presencialmente, também a partir de 7 de outubro.

A decisão foi amparada pelos resultados de inquérito sorológico realizado em adultos que moram na cidade de São Paulo e em 6.000 estudantes de unidades de ensino públicas e privadas, de todos os níveis encolares, localizados no município. Os resultados mostraram que, entre os adultos, 13,9% dos paulistanos apresentam anticorpos contra a Covid-19.

Entre os estudantes, a prevalência foi de 16,5%. O índice foi mais alto em alunos das redes estadual (17,2%) e municipal (18,4%), em comparação com a rede privada (9,7%). A principal preocupação da prefeitura é que a taxa de assintomáticos é significativamente mais alta entre crianças e adolescentes do que entre adultos: 66% contra 40%. Em estudantes da rede privada, a taxa é de 70%.

Segundo Covas, esses dados demonstram que a retomada do ensino superior é segura. Entretanto, o mesmo não acontece para o ensino fundamental e ensino médio. “É importante ressaltar que é muito grande a preocupação da prefeitura por conta dos estudos apresentados e das recomendações da nossa área de saúde e da vigilância sanitária com a questão da volta às aulas. Estamos falando de um contingente de 2,5 milhões de alunos. A proporção de assintomáticos é bem maior entre as crianças do que quando comparado aos adultos, basicamente 70% e 40%, respectivamente. A possibilidade e o receio de um segundo pico da doença caso essa atividade volte de forma integrada na cidade de São Paulo, de uma hora para outra. É preciso modular e ter a devida precaução com a saúde, não apenas dos nossos alunos, mas dos professores e familiares”, disse Covas em coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira, 17.

Continua após a publicidade
Publicidade