Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Coronavírus: por que homens morrem mais do que mulheres?

Na maioria dos países, incluindo Brasil, a letalidade da Covid-19 é maior nos homens. Comportamento e genética desempenham um papel nessa característica

Por Da redação Atualizado em 2 abr 2020, 18h34 - Publicado em 2 abr 2020, 18h27

O coronavírus parece ser muito mais letal para homens do que para mulheres. Dados brasileiros mostram que 59,9% dos óbitos por Covid-19 até quarta-feira, 1, foram em homens. Fora do Brasil, a estatística é semelhante. Mas por que isso acontece? Os homens são mais suscetíveis às complicações da doença ou se cuidam menos? Ambos.

A teoria clássica atribui essa característica aos hábitos de vida. Em geral, homens tendem a fumar e beber mais do que mulheres, têm mais problemas, pois não dão muita importância à saúde e demoram para procurar cuidados médicos. Na China, onde a tendência da mortalidade mais alta entre homens foi observada primeiro, 50% dos homens fumam. No caso das mulheres, essa taxa cai para 2%. Um estudo publicado recentemente constatou que os fumantes representavam 12% entre os pacientes com sintomas menos graves, mas 26% daqueles que acabaram em terapia intensiva ou morreram.

O tabagismo danifica o pulmão, que é justamente a parte do corpo mais afetada pelo coronavírus. Logo, um pulmão fragilizado seria mais prejudicado pelo vírus agressor. Outros estudos mostram que os homens são menos propensos a lavar as mãos, a usar sabão, a procurar atendimento médico e mais propensos a ignorar os conselhos de saúde pública.

Mas, será que é só isso? O cientista e médico Sharon Moalem, acredita que não. Em artigo publicado no jornal americano The New York Times, Moalem, que também é autor do livro A melhor metade: sobre a superioridade genética das mulheres (tradução livre do título original, em inglês: The Better Half: On the Genetic Superiority of Women), diz que no quesito sobrevivência, homens são mais frágeis que mulheres.

Biologia

As explicações para esta particularidade estariam nos genes e nos hormônios. Se você não é um profissional da área de ciência biológicas, mas lembra um pouco das aulas de biologia na escola, as células de um organismo do sexo feminino têm dois cromossomos X – um proveniente da mãe e um do pai -, portanto são XX, enquanto os homens têm um X – proveniente da mãe – e um Y – oriundo do pai -, portanto, XY.

Continua após a publicidade

Segundo Moalem, essa diferença é crucial porque o cromossomo X é essencial para funções vitais, como formação e manutenção do cérebro e funcionamento do sistema imunológico. Como você já deve imaginar, no combate ao coronavírus – e qualquer outro vírus -, o sistema imunológico é um fator crucial. Como o organismo da mulher tem dois cromossomos X em cada célula, no dia a dia, um deles é usado mais que o outro. Em geral, o que responde melhor.

Portanto, se um cromossomo X possui genes que são melhores para reconhecer vírus invasores como o coronavírus, por exemplo, as células imunes que usam esse X podem se concentrar nessa tarefa. Enquanto isso, outras células do sistema imunológico podem usar o segundo cromossomo X para matar as células que já estão infectadas pelo sars-cov-2 (nome do novo coronavírus). O ataque duplo torna a luta contra o vírus muito mais eficiente.

Por outro lado, os homens têm apenas um cromossomo X e se esse cromossomo não for eficiente para reconhecer o vírus e/ou matar as células infectadas pelo coronavírus, sua capacidade de combater a infecção será limitada e ele fica mais suscetível à doença. Além disso, homens têm mais testosterona, o hormônio sexual masculino, e a mulher, estrogênio, o hormônio sexual feminino. Essa característica também é determinada pelos cromossomos.

Mas no que isso impacta na capacidade de combater infecções? Níveis mais altos de testosterona parecem suprimir o sistema imunológico, enquanto o estrogênio estimula uma resposta imunológica mais vigorosa.

Nem tudo é perfeito e esse poder do sistema imunológico feminino tem um custo. As mulheres correm um risco maior de doenças autoimunes – quando células e tecidos saudáveis são atacados pelo próprio sistema imunológico do paciente -, como artrite reumatoide, esclerose múltipla, tireoidite autoimune, síndrome de Sjögren e lúpus.

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade