Clique e assine com até 92% de desconto

Coronavírus pode permanecer no ar de lugares sem ventilação, aponta estudo

Pesquisadores da Universidade de Wuhan, na China, analisaram amostras colhidas no interior de hospitais e em áreas públicas próximas

Por Da Redação Atualizado em 28 abr 2020, 19h04 - Publicado em 28 abr 2020, 10h02

Pesquisadores chineses reforçaram a tese de que o Sars-CoV-2, causador da Covid-19, pode se espalhar pelo ar. Um estudo realizado pela Universidade de Wuhan, epicentro da pandemia na China, e divulgado na segunda-feira 27 pela revista Nature, informa que pequenas partículas do novo coronavírus foram detectadas no ar em espaços ou salas, dentro ou próximos de hospitais, com falta de ventilação.

O estudo analisou o ambiente interior e exterior de dois hospitais que ficaram exclusivamente dedicados aos pacientes de Covid-19 entre março e abril. Liderados por Lan Ke, diretor do Laboratório Estadual de Virologia da universidade, os pesquisadores encontraram pedaços do material genético do vírus, chamados de aerossóis, flutuando no ar de áreas que abrigam multidões.

ASSINE VEJA

Coronavírus: uma nova esperança A aposta no antiviral que já traz ótimos resultados contra a Covid-19, a pandemia eleitoral em Brasília e os fiéis de Bolsonaro. Leia nesta edição.
Clique e Assine

O estudo não procurou estabelecer se as partículas transportadas pelo ar poderiam causar infecções. Até agora, sabe-se que o vírus pode ser transmitido pelo contato direto com pessoas infectadas, superfícies contaminadas ou inalação de gotículas respiratórias de indivíduos com o vírus. O potencial de disseminação aérea, no entanto, tem sido motivo de debate e novos estudos.

LEIA TAMBÉM:
Como o coronavírus é transmitido e por quanto tempo ele resiste por aí

As pessoas produzem dois tipos de gotículas quando respiram, tossem ou falam. Essas partículas caem no chão antes de evaporar, causando contaminação principalmente pelos objetos nos quais se assentam. Mas suspeita-se que gotículas menores, como os aerossóis, possam ficar no ar por horas.

  • A Organização Mundial da Saúde informa que o risco de contaminação é limitado a circunstâncias específicas, apontando para uma análise de mais de 75.000 casos na China, nos quais nenhuma transmissão aérea foi relatada. Mas, com quase 3 milhões de pessoas infectadas no mundo, os cientistas estão tentando entender exatamente como ocorre a contaminação.

    Os cientistas de Wuhan encontraram poucos aerossóis em enfermarias, supermercados e prédios residenciais próximos aos hospitais. A maior quantidade de partículas de coronavírus no ar foram detectadas em banheiros e em duas áreas frequentadas por grandes multidões, incluindo um espaço interno próximo a um dos hospitais.

    Concentrações especialmente altas apareceram nas salas onde a equipe médica despeja equipamentos de proteção, o que pode sugerir que as partículas que contaminam seus equipamentos voltam ao ar quando máscaras, luvas e aventais são removidos. Os resultados destacam a importância da ventilação, da limitação de multidões e de cuidadosos esforços de saneamento, concluíram os pesquisadores.

    Continua após a publicidade
    Publicidade