Clique e assine com até 92% de desconto

Coronavírus: Brasil ultrapassa a marca de 250.000 infectados

Foram 13.140 diagnósticos registrados nas últimas 24 horas; Número de mortes teve acréscimo de 674 registros

Por Da Redação Atualizado em 18 Maio 2020, 19h39 - Publicado em 18 Maio 2020, 19h37

De acordo com o mais recente levantamento do Ministério da Saúde, divulgado nesta segunda-feira, 18, o número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus  desde o começo da pandemia é 254.220. Destes, 13.140 foram registrados nas últimas 24 horas — o quarto maior acréscimo na série histórica.

O número de mortes teve o aumento de 674 novos registros, chegando a 16.792 pessoas vitimadas pela doença em todo o país. Trata-se do oitavo maior registro diário, de acordo com os dados fornecidos pela pasta da Saúde.

Do total, 100.459 pessoas (39,5%) já estão curadas da doença. Outras 136.969 (53,9%) passam por acompanhamento.

No país, 3.270 (58,7%) municípios brasileiros registraram casos de Covid-19. Em 1.220 destes (21,9%) houve vítimas fatais.

De acordo com monitoramento em tempo real da Universidade Johns Hopkins, o Brasil é o quarto país com maior número de infectados pela doença. No quesito mortes, o Brasil está em sexto lugar.

LEIA TAMBÉM
Coronavírus: estimativa aponta número de casos 14x maior do que o oficial

Repasses do Ministério da Saúde

Em coletiva de imprensa, a primeira após o pedido de demissão do ex-Ministro Nelson Teich, foi informado que o Governo Federal repassou 5,3 bilhões de reais para os estados para serem usados exclusivamente no combate à pandemia do novo coronavírus. Também foram entregues 823 respiradores para dezesseis estados.

A pasta também informou que houve baixa adesão à campanha de vacinação contra a gripe. Na segunda fase da campanha, dedicada às pessoas com doenças crônicas, profissionais de segurança, entre outros grupos, apenas seis estados alcançaram a meta de imunização.

Também foi anunciado que as diretrizes para orientar o isolamento social  no país serão divulgadas mesmo após a saída de Teich, que chegou a fazer um anúncio parcial do documento. O estudo passa por avaliação dos conselhos de secretários estaduais e municipais de Saúde, afirmou Élcio Franco secretário-executivo adjunto da pasta.

Continua após a publicidade
Publicidade