Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Contato com substância presente em plásticos pode elevar risco de asma na infância

Nova pesquisa observou que grávidas expostas a maiores níveis da substância dão à luz bebês mais propensos a desenvolver a doença

Por Da Redação 17 set 2014, 18h03

Pela primeira vez, pesquisadores demonstraram que fetos expostos a ftalatos, substância química presente em diversos objetos de plástico, incluindo brinquedos, correm um risco até 80% maior de terem asma ao longo da infância.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Asthma in Inner-City Children at 5-11 Years of Age and Prenatal Exposure to Phthalates: The Columbia Center for Children’s Environmental Health Cohort​

Onde foi divulgada: Environmental Health Perspectives​

Quem fez: Robin Whyatt, Matthew Perzanowski, Allan Just, Andrew Rundle, Kathleen Donohue, Antonia Calafat, Lori Hoepner, Frederica Perera e Rachel Mille

Instituição: Universidade Columbia, Estados Unidos

Resultado: Grávidas expostas a maiores níveis de ftalatos, composto químico presente em plásticos, dão à luz bebês com risco até 80% maior de desenvolver asma durante a infância.

Os ftalatos costumam ser utilizados para deixar o plástico mais maleável e podem ser encontrados em materiais que vão desde produtos de cuidado pessoal e recipientes de alimentos até revestimento de piso e equipamentos médicos. Uma lista elaborada pela organização americana Environmental Working Group incluiu a substância como um dos compostos químicos que mais desencadeiam distúrbios hormonais. Além disso, os ftalatos já foram associados a problemas como obesidade, diabetes e risco de parto prematuro.

Continua após a publicidade

Em 2009, os Estados Unidos proibiram presença da substância em brinquedos e outros produtos infantis. No Brasil, uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autoriza o uso dos ftalatos na produção de embalagens de plástico, inclusive naquelas que costumam entrar em contato com alimentos, água e equipamentos de uso doméstico.

Estudo – A nova pesquisa, feita na Universidade Columbia, Estados Unidos, acompanhou 300 mulheres grávidas e, depois, os seus filhos até os 11 anos de idade. Os pesquisadores mediram os níveis de ftalatos em amostras de urina tanto das mulheres grávidas quanto das crianças.

Leia também:

​​Obesidade infantil pode estar ligada a maior risco de asma

Crianças com asma mal controlada perdem quase 10% do ano letivo

A equipe descobriu que os filhos de mulheres que mais se expuseram a ftalatos durante a gravidez tiveram mais chances de ter asma ou então apresentar sintomas semelhantes aos do problema entre 5 e 11 anos de idade.

Existem diferentes tipos de ftalatos, e os pesquisadores observaram que o risco de asma está relacionado especialmente com a exposição pré-natal a dois tipos específicos: o butylbenzyl phthalate (BBzP) e o di-n-butyl phthalate (DnBP). Essas substâncias parecem elevar as chances da doença em 72% e 78%, respectivamente.

As conclusões foram publicadas nesta quarta-feira no periódico Environmental Health Perspectives. “Nosso estudo fornece evidências de que os ftalatos estão entre os fatores de risco para a asma, que também incluem tabagismo, poluição do ar, obesidade e histórico de alergia”, diz Robin Whyatt, diretor do Centro para a Saúde Ambiental das Crianças da Universidade Columbia.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)