Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Com dengue em alta, Fiocruz dobra produção de testes para diagnóstico

Aumento dos exames produzidos foi pedido do Ministério da Saúde; zika e chikungunya também podem ser diagnosticadas

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 7 Maio 2024, 17h24 - Publicado em 8 fev 2024, 17h45

Diante do surto de dengue em curso no Brasil, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciou nesta quinta-feira, 8, que vai dobrar a produção dos testes moleculares para o diagnóstico da doença que serão entregues ao Ministério da Saúde. Um lote emergencial com 300 mil unidades será entregue nos primeiros meses. Até o fim de 2024, haverá o repasse total de 600 mil testes RT-PCR capazes de detectar a infecção e identificar o sorotipo em circulação (1, 2, 3 e 4). O exame também diagnostica zika e chikungunya, outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

Segundo a Fiocruz, as primeiras unidades devem ser entregues nas próximas semanas. “Esta iniciativa visa a fortalecer o diagnóstico preciso e ágil, permitindo uma resposta eficaz diante das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Estamos empenhados em contribuir com a saúde pública nacional e continuaremos trabalhando incansavelmente para contribuir para a saúde nossa população”, disse, em nota, Mario Moreira, presidente da instituição.

Estados e municípios brasileiros estão enfrentando um surto de dengue desde o começo do ano e, até o momento, Acre, Distrito Federal, Minas Gerais, Goiás e a cidade do Rio de Janeiro decretaram situação de emergência. Segundo painel de monitoramento do Ministério da Saúde, apenas neste ano foram contabilizados 395.103 casos e 53 mortes pela doença no Brasil.

Nesta sexta-feira, 9, o Distrito Federal vai iniciar a vacinação da população de 10 a 14 anos, a mais afetada por casos que levam a hospitalizações. O governo local contabiliza mais de 46 mil casos e implementou tendas para hidratação dos pacientes e foi inaugurado um hospital de campanha da Força Aérea Brasileira (FAB) com 60 leitos.

Vacina contra a dengue

Em outubro, a OMS recomendou a vacinação contra a doença com foco principalmente em crianças e adolescentes de 6 a 16 anos em países endêmicos, caso do Brasil. Por aqui, o imunizante Qdenga, da farmacêutica japonesa Takeda, foi liberado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) meses antes, em março.

Continua após a publicidade

O Ministério da Saúde anunciou que vai seguir a recomendação da entidade e ofertar o imunizante para essa faixa etária. Com a medida, o Brasil se tornou o primeiro país a incluir a vacina no sistema público de saúde. A previsão é de que a vacinação tenha início neste mês em 521 municípios na faixa de 10 a 14 anos, a mais afetada pela doença.

No mês passado, o país recebeu cerca de 750.000 doses, parte da primeira remessa com 1,32 milhão de doses adquiridas pelo governo brasileiro. Também está prevista a entrega de 568.000 doses ainda neste mês. Neste ano, está prevista a chegada escalonada de mais 5,2 milhões de doses. Para 2025, foram adquiridas 9 milhões de doses.

Crescimento da dengue

Desde 2022, a dengue voltou a crescer no país e, no ano passado, foram registrados 1.658.816 casos e 1.904 mortes. Com a intensificação das notificações já em janeiro deste ano, planos de contingência, tendas e até um hospital de campanha fazem parte das medidas adotadas nas regiões mais afetadas, como a cidade do Rio de Janeiro, que declarou emergência na segunda-feira 5, e o Distrito Federal.

A doença tem colocado o mundo em alerta por estar se alastrando em novas e antigas regiões com a ajuda das mudanças climáticas, que criam condições propícias para a reprodução e proliferação dos mosquitos. Desde o ano passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) elevou o tom ao se debruçar sobre dados e constatar que, em 2022, as taxas de infecção aumentaram oito vezes em relação ao ano 2000.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.