Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

China aprova antiviral contra HIV para tratar Covid-19

O remédio Azvudina, da farmacêutica chinesa Genuine Biotech, é o primeiro antiviral oral fabricado no país

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
26 jul 2022, 13h09

Um antiviral contra o vírus HIV, causador da Aids, recebeu autorização emergencial do órgão regulador de medicamentos para o tratamento da Covid-19 na China. A liberação ocorreu nesta segunda-feira, 25, e foi divulgada nesta terça-feira, 26, na Nature. O remédio Azvudina, da farmacêutica chinesa Genuine Biotech, é o primeiro antiviral oral fabricado no país.

A farmacêutica anunciou que, em um ensaio clínico de fase 3, 40% dos pacientes que receberam o medicamento por uma semana tiveram melhora nos sintomas clínicos em relação a 11% dos que receberam placebo. O estudo detalhado ainda não foi divulgado e não se sabe ainda se o tratamento é capaz de reduzir hospitalizações e mortes pela doença. Como a droga já foi aprovada para pacientes com HIV, especialistas avaliam que a segurança do medicamento está estabelecida.

A também chinesa Shanghai Junshi Bioscience está em fase final de desenvolvimento de outro antiviral oral para a Covid-19 chamado VV116. Este medicamento é uma fórmula ajustada em uma versão em pílula do remdesivir, medicamento intravenoso que foi o primeiro tratamento para infectados pelo novo coronavírus liberado pela agência reguladora norte-americana Food and Drug Administration (FDA).

A empresa informou que, em um estudo de fase 3, a segurança e a eficácia do candidato a medicamento foram comparadas com os resultados do Paxlovid, da Pfizer. Os resultados apontaram que os sintomas foram aliviados mais rapidamente e os pacientes testaram negativo mais cedo do que os medicados com o medicamento da Pfizer.

Continua após a publicidade

“Um pequeno estudo revisado por pares envolvendo 136 participantes sugeriu que o medicamento poderia reduzir o período entre o primeiro resultado positivo do teste Covid-19 e o primeiro resultado negativo para 8,5 dias, em comparação com 11 dias para aqueles que receberam placebo”, informou a Nature. No entanto, assim como ocorreu com a pesquisa com o Azvudina, dados adicionais não foram anunciados.

Até o momento, a China aprovou o antiviral Paxlovid para o tratamento da doença. Ele demonstrou eficácia de 89% para a diminuir os riscos de hospitalização e morte por Covid-19.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.