Clique e assine com até 92% de desconto

Câncer de mama: Teste genômico pode poupar quimioterapia em mulheres

Tecnologia já está aprovada no Brasil e em breve pode estar disponível na cobertura dos planos de saúde

Por Giulia Vidale Atualizado em 9 out 2020, 16h54 - Publicado em 8 out 2020, 17h05

Um exame genômico pode poupar cerca de 69% das mulheres com câncer de mama em estágio inicial da quimioterapia. O teste Oncotype DX® Breast Recurrence Score pode evitar que muitas pacientes enfrentem os indesejados efeitos colaterais do tratamento de forma desnecessária.

LEIA TAMBÉM: Outubro Rosa: 7 novidades sobre o câncer de mama, de exames a tratamentos

O teste, realizado no mesmo momento da biópsia, identifica a possibilidade de recorrência da enfermidade na próxima década e avalia se a quimioterapia é o tratamento mais indicado. Um estudo apresentado no congresso Anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (Asco) deste ano mostrou que das 155 voluntárias brasileiras tratadas no Hospital Pérola Byington, em São Paulo, entre agosto de 2018 e abril de 2019, 97% receberam a recomendação inicial de fazer quimioterapia, além de terapia hormonal. Mas o teste genômico revelou que 69% delas não precisaram deste tratamento adicional. Ou seja, essas pacientes foram poupadas de enfrentar efeitos colaterais, como fadiga, náuseas, perda de cabelo, entre tantos outros, de forma desnecessária.

  • “O teste Oncotype DX possibilita uma avaliação prognóstica e preditiva das pacientes, ou seja, além de conseguirmos identificar se há a possibilidade de recorrência da doença nos próximos 10 anos, também conseguimos avaliar se o tratamento por quimioterapia é o mais indicado para aquela paciente”, diz o Diretor médico da Exact Sciences para América Latina, Dr. Sergio Oliveira.

    O teste desenvolvido pela Exact Sciences já está disponível no Brasil, mas apenas na rede privada – ele é distribuído pelo Grupo Fleury – e por meio de pagamento particular. Há previsão de abertura de consulta pública ainda neste mês de outubro sobre a introdução do teste no rol da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar).  Em um segundo momento também existe a possibilidade de inclusão no SUS.

    Continua após a publicidade
    Publicidade