Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

As novas e mais brandas medidas dos EUA contra a Covid-19

Eliminação das quarentenas e menos ênfase no distanciamento social, testes de vigilância e rastreamento de contatos estão entre as diretrizes do CDC

Por Simone Blanes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 12 ago 2022, 13h49

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos afrouxaram as diretrizes da Covid-19 nesta quinta-feira 11, liberando escolas e empresas da exigência que pessoas não vacinadas expostas ao vírus fiquem em quarentena em casa.

As mudanças representam um acentuado afastamento de medidas como requisitos de distanciamento social e quarentena, que polarizaram grande parte do país, e reconhecem efetivamente a maneira como muitos americanos estão enfrentando a pandemia há algum tempo. A ação da agência ocorre quando as crianças de todo o país retornaram às escolas e escritórios reabriram.

“Sabemos que a Covid-19 está aqui para ficar”, disse Greta Massetti, epidemiologista do CDC. “Os altos níveis de imunidade da população devido à vacinação e infecções anteriores, e as muitas ferramentas que temos disponíveis para proteger as pessoas de doenças graves e morte, nos colocaram em um lugar diferente”.

As novas diretrizes do CDC vêm após mais de dois anos de uma pandemia na qual mais de um milhão de americanos morreram. Com a BA.5, subvariante altamente contagiosa da ômicron se espalhando, os Estados Unidos atualmente registram mais de 100.000 casos e quase 500 mortes por dia. Mesmo assim, muitos americanos dispensaram práticas como distanciamento social, quarentena e uso de máscaras há muito tempo.

Continua após a publicidade

“Acho que eles estão tentando enfrentar a realidade. Todos estão praticamente cansados ​​dessa pandemia”, disse Michael T. Osterholm, especialista em doenças infecciosas da Universidade de Minnesota.

Os CDCs vêm trabalhando há meses na nova orientação, que se baseia em recomendações anteriores emitidas em fevereiro, quando a agência encurtou os tempos de isolamento. As mudanças transferem grande parte da responsabilidade pela redução de risco das instituições para os indivíduos. O CDC também não recomenda mais que as pessoas fiquem a um metro e meio de distância das outras. Em vez disso, observa que evitar áreas lotadas e manter distância são estratégias que as pessoas podem considerar para reduzir seu risco.

E as estratégias de prevenção recomendadas não fazem mais distinção entre pessoas que estão em dia com suas vacinas e aquelas que não estão, simplificando um conjunto complicado de regras que podem ser difíceis para escolas e empresas.

Continua após a publicidade

As pessoas expostas ao vírus não são mais obrigadas a ficar em quarentena em casa, independentemente do status de vacinação, embora devam usar máscara por 10 dias e fazer o teste do vírus no dia 5, de acordo com as novas diretrizes. O rastreamento de contatos e os testes de vigilância de rotina de pessoas sem sintomas não são mais recomendados na maioria dos ambientes.

Em vez de se concentrar em retardar a transmissão do vírus, as recomendações priorizam a prevenção de doenças graves. Elas enfatizam a importância da vacinação e outras medidas de proteção, incluindo tratamentos antivirais e ventilação. Sobre o uso de máscaras – que recomendam que as pessoas as usem em ambientes fechados, em locais onde os níveis comunitários de Covid-19 são altos – não mudaram.

As pessoas que testarem positivo para o vírus ainda devem se isolar em casa por pelo menos cinco dias. Aqueles que tiveram doença moderada ou grave, ou estão imunocomprometidos, devem se isolar até o décimo dia.

Continua após a publicidade

A agência também abordou as infecções rebote que algumas pessoas relataram após tomar o tratamento antiviral Paxlovid; se os sintomas retornarem, “os pacientes devem reiniciar o relógio em isolamento”, disse o CDC.

Muitos especialistas em saúde elogiaram as novas diretrizes como representação de uma abordagem pragmática para viver com o vírus a longo prazo. “Acho que essa é uma mudança bem-vinda”, disse Amesh Adalja, acadêmico do Johns Hopkins Center for Health Security. “Isso realmente mostra o quão longe chegamos. As novas diretrizes também serão mais fáceis para o público seguir”, acrescentou.

Mas os especialistas alertam que a pandemia ainda não terminou e podem ser necessárias medidas mais rigorosas no caso de novas variantes ou surtos futuros. Embora quase todos os americanos agora sejam elegíveis para a imunização, muitos não estão atualizados com suas vacinas. Apenas 30% das crianças de 5 a 11 anos e 60% de 12 a 17 anos receberam sua série primária de vacinas em todo o país. Entre os adultos com 65 anos ou mais, que correm maior risco de doença grave, 65% receberam um reforço. Terapias como tratamentos antivirais, continuam sendo de difícil acesso para muitos.

Continua após a publicidade

“Obviamente, temos que trabalhar para garantir que mais pessoas aproveitem a proteção que essas ferramentas têm a oferecer”, disse Jennifer Nuzzo, diretora do Pandemic Center da Brown University School. “Acho que houve um retrocesso geral no jogo necessário para vacinar as pessoas”.

As novas orientações se afastam de precauções abrangentes para populações vulneráveis ​​e configurações e circunstâncias específicas de alto risco. Por exemplo, as diretrizes observam que as escolas podem considerar testes de vigilância em determinados cenários, como quando os alunos retornam das férias escolares ou para aqueles que participam de esportes de contato.

Alunos não vacinados que são expostos ao vírus não precisarão mais fazer testes com frequência para permanecer na sala de aula, uma abordagem conhecida como “teste para ficar”. O CDC não recomenda mais a divisão de alunos em grupos menores, que limitam o contato entre eles para reduzir o risco de transmissão viral.

Continua após a publicidade

Especialistas em saúde disseram que a mudança na orientação foi particularmente bem-vinda à medida que os alunos voltam para a escola, um ambiente em que as quarentenas foram especialmente perturbadoras. “Isso realmente ajudará a minimizar o impacto da Covid-19 na educação”, afirmou Christina Ramirez, bioestatística da Universidade da Califórnia, em Los Angeles.

Mercedes Carnethon, epidemiologista da Northwestern University Feinberg School of Medicine, disse que não vê as mudanças, nem mesmo a eliminação das quarentenas em favor de 10 dias de uso de máscaras, como um afrouxamento das orientações da agência. “Certamente sabemos que usar uma máscara de alta qualidade fornecerá a proteção mais forte contra a disseminação para outra pessoa, e a quarentena é logisticamente onerosa”, explicou. “Isso pode ser visto como um relaxamento das diretrizes, mas acho que é uma solução muito mais apropriada e direcionada”

Joseph Allen, pesquisador da Universidade de Harvard que estuda a qualidade do ambiente interno, elogiou as novas diretrizes por colocar mais ênfase na melhoria da ventilação. “É algo que ajuda a reduzir o risco de transmissão. Não é política e não requer nenhuma mudança de comportamento”, afirmou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.