Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ambev vai criar usina de oxigênio para garantir estoque em SP

De acordo com o governo de São Paulo, produção de planta instalada em Ribeirão Preto será doada integralmente ao estado

Por Giulia Vidale Atualizado em 22 mar 2021, 19h56 - Publicado em 22 mar 2021, 14h01

O governo de São Paulo realizou na manhã desta segunda-feira, 22, uma reunião com a iniciativa privada para entender quais são os grandes desafios das empresas para garantir a produção e o fornecimento de oxigênio para todo o estado. Participaram do encontro as cinco principais empresas fornecedoras de oxigênio não só no estado de São Paulo, mas no Brasil – White Martins, Air Liquid, Air Products, IBG e Atmosfera Gases -, além da Ambev e da Copagaz.

De acordo com o vice-governador Rodrigo Garcia, os fornecedores garantiram o abastecimento de oxigênio para os leitos de UTI em todo o estado. Além disso, a Ambev se prontificou a criar, em um prazo de 10 dias, uma usina de oxigênio em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, e doar integralmente a produção de 120 cilindros por dia.

Já a Copagaz, empresa especializada no engarrafamento e comercialização de gás de cozinha, colocou à disposição do governo do estado sua frota para o transporte e logística de cilindros de oxigênio. Garcia afirmou que as iniciativas irão atender não apenas a rede estadual de saúde, mas também a municipal, filantrópica e privada.

LEIA TAMBÉM: Coronavírus: quando o respirador mecânico é usado no tratamento

De acordo com Patricia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico do estado de São Paulo, um dos principais desafios da cadeia de produção e distribuição de oxigênio é a oferta de cilindros para armazenar o produto. Diante disso, foi feito uma força-tarefa para garantir o fornecimento deste material. Há também outras duas forças-tarefas: uma de logística e outra de articulação com o governo federal.

“Todas as empresas se comprometeram em honrar seus compromissos da entrega do oxigênio em todo o estado. O trabalho agora, para além da entrega, é garantir que não haja interrupção no fornecimento por nenhum tipo de desafio e que consigamos também ter oxigênio adicional para os leitos extra que estão abrindo nos próximos dias”, afirmou Patricia Ellen.

Continua após a publicidade
Publicidade