Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Álcool em gel: os perigos do uso exagerado

Utilização exagerada do produto diminui as defesas do organismo e pode causar explosões em casa

Por Alexandre Senechal Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 10 abr 2020, 14h45 - Publicado em 10 abr 2020, 14h05

O álcool em gel tem sido vendido como uma solução para o combate contra o novo coronavírus, mas o uso excessivo pode gerar outros problemas. O produto é, sim, a melhor alternativa para higienização e evitar o contágio da doença quando o usuário não tem água e sabão à disposição. Especialistas explicam que o álcool resseca as mãos e reduz a proteção natural do organismo, o que pode ocasionar alergias, deixar a região suscetível a queimaduras e gerar uma porta de entrada para inflamações.

“Nosso organismo possui um filme que protege a pele chamado de manto hidrolipídico. Quando você usa o álcool em gel, desidrata a pele e perde esse manto. Vai restar só o álcool, mesmo que seco, que é extremamente inflamável e irritativo”, elucida Claudia Marçal, médica dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica.

As principais preocupações com o uso do álcool em gel dentro de casa são na cozinha. O líquido inflamável pode explodir se entrar em contato com objetos como o fogão, o forno e o micro-ondas e por isso não deve ser utilizado para limpar áreas como a pia. “A cápsula do coronavírus tem uma cobertura feita de lipídio, que é gordura. Qualquer sabão que entra em contato mata o vírus. O álcool também funciona, mas não é eficiente como água e sabão”, afirma a médica Beatriz Lassance, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Beatriz conta que observou um aumento no número de pacientes que sofreram queimaduras por cozinhar após higienizar as mãos com álcool em gel. Ela explica que a situação é atípica por conta da pandemia, já que há muitas pessoas utilizando a solução em gel, mas também a líquida, que era proibida e foi liberada para ajudar a população a higienizar mãos e superfícies em tempos de coronavírus.

Continua após a publicidade

As especialistas indicaram cuidado com os idosos, que fazem parte do grupo de risco e são os mais expostos ao coronavírus. A dermatologista Claudia Marçal explica que a pele deles não é capaz de produzir gorduras naturais com tanta eficiência e já não é tão hidratada, o que a deixa mais fina e desprotegida. “Esse grupo de risco foi colocado no topo da pirâmide em termo de proteção. Se abusar do álcool em gel, é o primeiro que sofre. Eles devem utilizar se tiverem que ir em algum lugar, mas dentro de casa devem preferir sempre a água e sabão”.

ASSINE VEJA

O vírus da razão O coronavírus fura a bolha de poder inflada à base de radicalismo. Leia também: os relatos de médicos contaminados e a polêmica da cloroquina ()
Clique e Assine

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.