Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Veja Essa

As frases que marcaram a semana

Se alguém dissesse aos governos que armas capazes de matar 30 milhões de pessoas estão em construção neste momento, haveria uma noção de urgência sobre a preparação para essa ameaça. No caso de ameaças biológicas, essa noção não existe. O mundo precisa estar preparado para pandemias da mesma forma como está preparado para a guerra.

BILL GATES, o fundador da Microsoft, hoje dedicado à filantropia e ao controle de doenças como a malária, num debate sobre epidemias promovido pela Massachusetts Medical Society e pelo 'New England Journal of Medicine'

A esquerda deveria fazer uma autocrítica muito séria, examinar o que deu errado e pensar em todas as oportunidades que foram desperdiçadas porque sucumbiu à maldição da corrupção e a planejamentos falhos.

NOAM CHOMSKY, linguista americano, em entrevista à 'Folha de S.Paulo'

Eles nunca foram meus ídolos. As pessoas dizem ‘você fala mal do Chico Buarque porque tem inveja’. Meu, elas não podem imaginar meu desprezo pelo Chico. Tenho influência do Paulinho da Viola, e muita, mas não do Chico.

LOBÃO, no papel de Lobo Mau, em conversa adultíssima, na 'Folha de S.Paulo'

Sinto muita culpa. Eu deveria ter prestado mais atenção no que meu irmão estava vivendo. Só fiquei sabendo do que ele passou pela TV.

DANIELE HYPOLITO, ao falar sobre o depoimento de seu irmão, o medalhista olímpico Diego Hypolito, que revelou ao 'Jornal Nacional'  ter sido assediado por ginastas mais velhos, dos 8 aos 11 anos, com o conhecimento dos treinadores

Ícone cultural subversivo

Essa foi a justificativa publicada na IMPRENSA OFICIAL DA CHINA para o banimento de Peppa Pig dos canais de entretenimento infantil. A imagem da porquinha com sua família estaria sendo explorada por “pessoas que se afastam dos valores da sociedade, não estudam e não têm emprego fixo, a antítese da juventude que o partido quer cultivar”

Ele ditou a carta inteira.

HAROLD BORNSTEIN, médico particular de Donald Trump em 2015, sobre um texto que assinou afirmando que o então candidato à Presidência dos Estados Unidos esbanjava saúde — “sua força física e seu vigor são extraordinários”

Vou ser sempre mais alto do que você.

ART GARFUNKEL (1,75 metro), em uma das muitas brigas com Paul Simon (1,60 metro), no começo da carreira da dupla, que se desfez definitivamente nos anos 1970. Segundo o livro 'Paul Simon: The Life', a ser lançado nos Estados Unidos na semana que vem, até hoje, passados sessenta anos, Simon continua magoado com o comentário

Agradeço a você e a sua deliciosa esposa pela calorosa recepção.

Emmanuel Macron, presidente da França, fluente em inglês, exagerando nos elogios a Lucy, mulher do primeiro-ministro australiano Malcolm Turnbull. Ou não. Ele não esclareceu se usou por engano a palavra delicious

Publicado em VEJA de 9 de maio de 2018, edição nº 2581