Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Trump é Lula com sinal trocado?

O americano é tratado com muito mais virulência

Por Vilma Gryzinski
Atualizado em 7 abr 2018, 06h00 - Publicado em 7 abr 2018, 06h00

Algumas pessoas acreditam que Donald Trump é um Lula com o sinal ideológico invertido. Estão erradas. O tom fanfarrão, a falta de cerimônia, o discurso populista e a turbulenta divisão de águas na sociedade podem induzir a esse erro. Mas nem de longe o condenado foi tratado pela imprensa e pelos antilulistas, no Brasil, com a virulência incessantemente dedicada ao presidente americano.

Como comparar a capa de VEJA em que Lula tinha a marca de uma sola de bota suja de petróleo na região dorsal, quando a Bolívia encampou uma refinaria à Petrobras, à capa da revista New York com um enorme nariz de porco plantado num close de Trump? Também não dá para comparar as reportagens exclusivas de VEJA, e outros furos da imprensa nacional, expondo informações com origem comprovada, gravações, delações, inquéritos policiais, fotos e outras marcas de corrupção ao que saiu na New York à guisa de denúncia: “Lobistas estão plantados em todos os órgãos públicos, ‘regulando’ seus e­­x-empregadores e criando mecanismos que favorecem patrões em detrimento de empregados e empresários em detrimento de consumidores”. Os paralelos são evidentes, mas ainda falta um chão imenso para aparecer uma “Petrobras americana” — a única registrada, até hoje, nos Estados Unidos era brasileira.

A animosidade provocada por Trump, exacerbada por seu estilo caótico, e a cobertura agressiva da imprensa preparam os americanos praticamente todos os dias para o desastre. Ele está sempre para ser enquadrado, impichado, derrubado ou flagrado com uma atriz pornô ou ex-modelo da Playboy. Se não for, vai desencadear uma guerra comercial, uma guerra nuclear ou uma hecatombe social. Pouca coisa prepara para uma possibilidade mais instigante: e se Trump der certo?

O fato de que mais de 80% do superávit comercial em mercadorias da China procede das exportações para os Estados Unidos talvez seja um instrumento importante de pressão para os americanos. Um Kim Jong-un mais calminho ultimamente talvez revele que alguma parte da tática trumpiana para a Coreia do Norte está funcionando. O crescimento de 2,9% do PIB americano no último trimestre de 2017 talvez pese junto à opinião pública.

Continua após a publicidade

Com sua capacidade de criar neologismos perfeitos para novas situações, os americanos inventaram uma palavra para definir a crescente falta de freios nas discussões políticas: weaponization. O mais perto que podemos chegar, como tradução, é prolixo: a transformação do debate político em arma. Ou, num avanço mais liberal, a nuclearização da política.

Não existe leitor que não esteja farto de ser ensinado a ser um bom sujeito, moderado respeitador das regras, rápido e responsável na identificação das fake news. Poucos entendem que: 1) o debate político não vai ser desnuclearizado na base dos bons conselhos; 2) muitos sabem que a notícia é fake, e a divulgam exatamente por isso; e 3) propagá-la pode ser uma espécie de revanche contra os excessos politicamente corretos da imprensa. Por exemplo, se Trump der certo, nem que seja pelas próximas 24 horas, em quem a opinião pública tenderá a acreditar?

Publicado em VEJA de 11 de abril de 2018, edição nº 2577

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.