Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Propina além-mar

Investigado em Portugal, o ex-ministro José Dirceu recebeu quase 1 milhão de euros de três empresas de telefonia para viabilizar negócio no governo petista

O inferno de José Dirceu, tal como os pecados, parece não ter fim. Condenado no escândalo do mensalão a sete anos de cadeia, o ex-todo-poderoso ministro de Lula acabou pilhado também no petrolão, como destinatário de propinas pagas por empresas que o contratavam como “consultor” para ampliar seus negócios na Petrobras e em outras áreas do governo. Houve, como se sabe, uma confluência de escândalos: parte da propina do petrolão foi paga enquanto Dirceu cumpria pena no mensalão. Em casa, usando tornozeleira eletrônica e recorrendo de mais duas condenações que passam dos trinta anos, o ex-minis­tro continua a ter negócios descobertos — agora, além-­mar. O achado mais recente vem da Operação Marquês, a Lava-Jato de Portugal. Lá, Dirceu apareceu como beneficiário de pagamentos em troca de usar seu poder para destravar um dos negócios mais rumorosos da era petista: a entrada da Portugal Telecom na sociedade da brasileira Oi.

As autoridades portuguesas chegaram a Dirceu ao destrinchar as conexões do propinoduto que servia a José Sócrates, ex-primeiro-ministro do país, que, na semana passada, foi acusado formalmente por 31 crimes. Escarafunchando arquivos apreendidos em um escritório de advocacia de Lisboa com o qual Dirceu mantinha parceria, os agentes descobriram que o petista usou a banca para esconder pagamentos que somam pelo menos 944 000 euros — cerca de 3 milhões de reais — e que, segundo o Ministério Público português, estavam ligados à transação bilionária da Portugal Telecom com a Oi. Os repasses foram feitos por empresas diretamente interessadas no negócio, entre elas a própria Portugal Telecom e a Zagope, subsi­diária da Andrade Gutierrez, cujos donos detinham o controle da Oi.

O referido – A Lava-Jato portuguesa rastreou os pagamentos ao ex-ministro (//Reprodução)

Uma contabilidade paralela que os investigadores encontraram no escritório registrava os repasses a Dirceu. As planilhas incluíam faturas de um cartão de crédito disponibilizado à família do ex-ministro para bancar gastos mais triviais, além de pagamentos de joias, passagens aéreas, aluguel de carros com motorista e diárias de hotel. Parte do valor em dinheiro chegou a ser transferida para bancos brasileiros, sem a devida declaração. Aparentemente, tanto em Portugal como no Brasil, os laços e meios de operações do esquema de corrupção obedeciam a um mesmo padrão. Agora, diante das descobertas, as autoridades portuguesas devem decidir se abrem investigação formal contra Dirceu.

Publicado em VEJA de 18 de outubro de 2017, edição nº 2552

Este conteúdo é exclusivo para assinantes do site. Assine agora e tenha acesso ilimitado.

Conheça os planos de assinatura OU

Já é assinante? Faça o login