Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O mais egoísta dos lances de futebol

Cristiano Ronaldo alcançou a bola a 2,10 metros de altura e, como se fosse o modelo de uma aula de mecânica do corpo humano, parou no ar

Por Fábio Altman Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 7 abr 2018, 06h00 - Publicado em 7 abr 2018, 06h00

De todos os movimentos do futebol, o gol de bicicleta talvez seja o mais celebrado pelos jogadores e pela torcida. A euforia comumente alimentada pelo lance é filha da plasticidade — o corpo ereto, de costas para as traves, os braços estendidos, a violência do chute. A bicicleta — cuja invenção é atribuída ao brasileiro Leônidas da Silva, que a realizou pela primeira vez em 1932, mas que já tinha sido executada por um jogador que atuava no Chile vinte anos antes — é o mais egoísta dos recursos do mais coletivo dos esportes. Só os muito bons, os genuinamente arrogantes, a desenham no ar. E só os espetaculares a concluem com a perfeição do português Cristiano Ronaldo. Aos dezoito minutos do segundo tempo da partida entre Real Madrid e Juventus da Itália, em Turim, que terminaria com a vitória dos espanhóis por 3 a 0, ele alcançou a bola a 2,10 metros de altura e, como se fosse o modelo de uma aula de mecânica do corpo humano, parou no ar. A arquibancada italiana aplaudiu de pé. Zinedine Zidane, treinador do Real, coçou a careca e exclamou: “Esse cara é louco!”. Gianluigi Buffon, goleiro da Juve, foi direto ao mais polêmico dos pontos. “Cristiano Ronaldo tem de ser equiparado a Maradona e Pelé.” Sorte a partida ter sido televisionada e dezenas de fotógrafos estarem de um lado e do outro do campo — a imagem à direita é apenas uma das que eternizaram o feito. O espanto da plateia, paralisada naquele átimo de tempo, dá a noção da grandeza do que todos viram e depois rodou o mundo. No Twitter, Pelé brincou, ao exibir a foto de um tento de bicicleta seu contra o Corinthians, em 1969. “Alguém viu aquele gol de um jovem chamado Cristiano ontem? Fico imaginando de onde ele aprendeu aquilo.”

Publicado em VEJA de 11 de abril de 2018, edição nº 2577

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.