Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

O Brasil e os rohingyas

O país deveria apoiar um embargo de armas a Mianmar

Por Maria Laura Canineu
Atualizado em 4 jun 2024, 18h31 - Publicado em 24 nov 2017, 06h00

Há mais de seis anos vemos o mundo fracassar em pôr fim às massivas violações na Síria, que levaram milhões a fugir e resultaram em uma chocante crise de refugiados. Hoje assistimos a mais um grave ataque, em outro canto do mundo. No Sudeste Asiático, mais de 600 000 homens, mulheres e crianças da minoria muçulmana rohingya de Mianmar (antiga Birmânia) fugiram para Bangladesh após sofrer abusos indescritíveis nas mãos de militares: incêndio de suas casas, massacres e estupros coletivos. Privados da cidadania birmanesa, da liberdade de circulação e de acesso adequado a saúde e educação, outros milhares ainda fugirão.

Em 2012, após eclodir um conflito entre as comunidades budista e muçulmana, grupos e forças de segurança budistas iniciaram uma campanha de limpeza étnica. Em 2016, usando como justificativa um ataque por um grupo armado rohingya, operações militares investiram novamente contra a comunidade, matando homens, mulheres e crianças, e forçando milhares a fugir. A ONU considerou tais ações como possíveis crimes contra a humanidade. Em agosto deste ano, uma nova e devastadora campanha de limpeza étnica começou, sob a mesma justificativa. Soldados executaram sumariamente muitos rohingyas; sobreviventes testemunharam espancamentos, agressões sexuais e perseguição. Apesar de Aung San Suu Kyi, a líder de fato do país, ter declarado o fim das operações em setembro, imagens de satélite mostraram ao menos 66 vilas incendiadas depois disso.

O Comitê Internacional de Resgate disse que 40 000 crianças que conseguiram chegar a Bangladesh estão desnutridas e precisam urgentemente de ajuda para sobreviver. A situação daqueles que permanecem em Mianmar é desconhecida, pois até agências humanitárias têm acesso restrito às áreas afetadas.

Numericamente, a população que chegou a Bangladesh equivale à de cidades médias brasileiras, como a minha Sorocaba. Atravessar as fronteiras ficou mais perigoso após o governo birmanês espalhar minas terrestres, que são proibidas por matarem e mutilarem indiscriminadamente. Relatos dolorosos denunciam o uso do estupro como ferramenta de limpeza étnica. O país tem o dever de se defender de ataques, mas nada justifica estuprar coletivamente mulheres e meninas.

Continua após a publicidade

Em 16 de novembro, o Brasil se juntou a 134 países em uma iniciativa da ONU para cobrar de Mianmar que ponha fim às operações militares, pare de obstruir ajudas humanitárias, combata a incitação ao ódio e dê acesso total à investigação da ONU. Agora o Brasil pode e deve ir além, apoiando um embargo global de armas e uma investigação por parte do Tribunal Penal Internacional sobre os crimes cometidos contra os rohingyas. Meu amigo Paulo Sérgio Pinheiro, que preside a Comissão de Inquérito da ONU para a Síria, foi antes o responsável por monitorar a situação dos direitos humanos em Mianmar e, já em 2009, advertiu que a imunidade aos soldados birmaneses permitia que eles estuprassem e saqueassem populações impunemente. Anos depois, a advertência não perdeu o significado. Desta vez, não devemos ignorá-la. É nossa responsabilidade agir.

Publicado em VEJA de 29 de novembro de 2017, edição nº 2558

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.