Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Elegia da desunião nacional

O que Shakespeare nos ensina sobre a praga do sectarismo

Por José Francisco Botelho
Atualizado em 4 jun 2024, 16h34 - Publicado em 13 jul 2018, 06h00

A discórdia é mãe da literatura. Mãe impiedosa, que às vezes sufoca a própria prole, mas ainda assim lhe confere argumento, substância, sentimento — assunto, enfim. Épocas turbulentas podem tornar difícil, ou quase impossível, o próprio ato da escrita; mas é delas, em grande medida, que vêm as sementes das obras futuras. William Shakespeare, por sinal, iniciou sua carreira de dramaturgo escrevendo sobre um dos mais destrutivos períodos da história inglesa: a Guerra das Duas Rosas, série de conflitos entre famílias aristocratas que devastou o país de 1455 a 1485. A trilogia de Henrique VI (1591), uma das primeiras obras atribuídas a Shakespeare, mostra a pobre Inglaterra mergulhando num redemoinho de loucura, cegueira e violência, em decorrência de disputas pessoais entre caudilhos inescrupulosos e megalomaníacos. Esse triplo drama histórico não está entre as realizações mais brilhantes do dramaturgo, mas oferece o retrato contundente de uma nação dividida e prestes a aniquilar a si mesma.

Vistas em retrospectiva, as intrigas estéreis e bizantinas entre os nobres de Lancaster e York lembram um pouco a série Game of Thrones; e o clímax marcial contém alguns prenúncios da desolação metafísica que encontraremos em Rei Lear. Mais sinistro que as cenas de mortandade, contudo, é o espírito de cizânia niilista que inflama os líderes políticos na peça — para quem a destruição mútua é infinitamente mais importante que o destino do país. Em um momento especialmente arrepiante, o rancoroso e algo desvairado Henry Beaufort diz a respeito de seu inimigo, o duque de Gloucester: “Eu vou fazer com que te ajoelhes sobre o chão, ou devastar este país num turbilhão”.

Grande poeta é aquele que sabe mais sobre nós que nós mesmos. Lá dos imaturos primórdios de sua obra, Shakespeare parece enviar uma mensagem ominosa ao Brasil de hoje. Quando a patologia do sectarismo elimina outros laços pessoais e corrói a própria ideia de um destino comum, a devastação das almas procria monstros. No final de Henrique VI, numa paisagem desolada pela discórdia civil, surge a figura macabra de Ricardo Plantageneta: o homem desprovido de “medo, amor ou piedade”, leal apenas a si mesmo e vindo para triunfar sobre os escombros. Em 1592, o tétrico Ricardo III ganharia sua peça homônima — tornando-se um dos tiranos proverbiais no universo shakespeariano.

Saberá algum autor futuro olhar as mazelas da desagregação nacional e extrair beleza de nossa “vil e rancorosa discórdia” — com o distanciamento estético que o jovem Shakespeare aplicou ao turbilhão inglês? A tormenta institucional, a ansiosa orgia das notícias falsas, os rompimentos pessoais, a gangorra fatal que de mês em mês parece soçobrar a república — alguém extrairá disso tudo algum portentoso relato para os próximos séculos? Agarremo-nos a essa elegante esperança. Pois, como escreveu Homero: “Os deuses criam infortúnios para que os homens tenham contos que contar”.

Continua após a publicidade

Quando nada mais nos une, que nos una, ao menos, a experiência do caos.

Publicado em VEJA de 18 de julho de 2018, edição nº 2591

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.